Segunda, 18 Novembro 2019
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

ONU lança Ano Internacional dos Desertos e da Desertificação

A ONU lançou hoje o seu Ano Internacional dos Desertos e da Desertificação, para sensibilizar o público para o avanço dos desertos, as maneiras de salvaguardar a diversidade biológica das terras áridas que cobrem um terço do planeta e a protecção dos conhecimentos e das tradições dos 2 mil milhões de seres humanos afectados pelo fenómeno.

O Secretariado da Convenção das Nações Unidas para Combater a Desertificação salientou a importância de reconhecer que, para além dos custos humanos e ambientais da degradação que contribui para o problema, é nas terras áridas que se encontram alguns dos mais extraordinários ecossistemas do mundo: os desertos.


Resumindo os objectivos do tratado, o Secretário-Geral da ONU, Kofi Annan, disse: “Estou desejoso por trabalhar com os Governos, a sociedade civil, o sector privado, as organizações internacionais e outros, a fim de centrarmos a nossa atenção nesta questão crucial e para que cada dia seja um dia em que procuramos inverter a tendência de desertificação e fazer com que o mundo enverede por uma via de desenvolvimento mais segura e mais sustentável”.


Calcula-se que a desertificação e a seca causem perdas anuais de produção agrícola no valor de 42 mil milhões de dólares. Além disso, contribuem para a insegurança alimentar, a fome e a pobreza e podem gerar tensões sociais, económicas e políticas que, por sua vez, podem causar conflitos, mais pobreza e degradação dos solos, afirma o Secretariado da Convenção.


É amplamente reconhecido que a degradação ambiental tem um papel na segurança nacional e na estabilidade internacional. Daí que a desertificação seja uma ameaça à segurança humana, disse o Secretário Executivo da Convenção, Hama Arba Diallo.


Entre as comemorações previstas merece especial destaque um festival de cinema, com a duração de uma semana, em Junho, em Roma.


Os porta-vozes honorários do Ano são Wangari Maathai (Quénia), Prémio Nobel da Paz, o Ministro do Ambiente da Argélia, Cherif Rahmani, e a estrela de futebol búlgara Hristo Stoitchkov, a quem foi atribuída a Bota de Ouro.


(Baseado numa notícia produzida pelo Centro de Notícias da ONU, 1/01/2006)


Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária