Quarta, 12 Dezembro 2018
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

Conselho de Segurança aprova cessar-fogo de 30 dias na Síria para pausa humanitária

csO Conselho de Segurança aprovou por unanimidade a resolução sobre a Síria Bashar Ja'afari, Representante Permanente da República Árabe da Síria junto das Nações Unidas, intervém na reunião do Conselho de Segurança sobre a situação em seu país. O Conselho aprovou por unanimidade a Resolução 2401 (2018) sobre a cessação imediata das hostilidades para permitir a evacuação médica e serviços em áreas de conflito e para fornecer acesso a ajuda . 24 de fevereiro de 2018 Nações Unidas, Nova Iorque

Artigo ONU News 

O Conselho de Segurança aprovou este sábado, por unanimidade, uma resolução que decreta um cessar-fogo na Síria durante 30 dias.

A resolução “exige que todas as partes cessem hostilidades sem demora”.  O chefe da ONU, António Guterres, elogiou a medida e pediu a todos os lados do conflito que permitam a passagem de ajuda.

Evacuação

O documento decreta “uma pausa humanitária de pelo menos 30 dias consecutivos em toda a Síria, para permitir a entrega de ajuda humanitária de forma segura, desimpedida, sustentável, e a evacuação médica dos feridos e doentes graves.”

O texto, que foi introduzido pelo Kuweit e pela Suécia, decreta ainda que deve ser levantado o cerco de zonas com população, como o Ghouta Oriental. Segundo dados da ONU, morreram nesta região pelo menos 350 pessoas esta semana. 

O presidente do Conselho de Segurança, Mansour Ayyad Al-Otaibi, do Kuweit, disse que o voto “é um sinal positivo de que o Conselho de Segurança está unido” para acabar com o sofrimento na Síria.

Al-Otaibi acredita que a resolução “responde aos pedidos da comunidade internacional” e que “vai salvar vidas”.

O presidente do Conselho de Segurança terminou dizendo que “ainda há muito trabalho para fazer para acabar com uma tragédia que já dura há sete anos.”

Apoio

Esta semana, o alto comissário da ONU para os Direitos Humanos classificou a situação em Ghouta Oriental como uma “campanha monstruosa de aniquilação”.

O escritório de Zeid Al Hussein documentou mais de 1,2 mil vítimas do conflito somente no mês de fevereiro.

Também esta semana, o secretário-geral da ONU, António Guterres, mostrou-se "profundamente triste com o sofrimento da população civil em Ghouta Oriental" e pediu a "suspensão imediata" de "todas as atividades de guerra" na região.