Quarta, 16 Outubro 2019
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

Dia Internacional Nelson Mandela celebra o 95º aniversário do líder histórico e faz apelo à acção por um mundo melhor

BADO-HDEm reconhecimento da contribuição de Mandela para a cultura da paz e da liberdade, a Assembleia Geral da ONU declarou, em dezembro de 2009, o dia 18 de julho como “Dia Internacional Nelson Mandela”. O espírito deste dia internacional consiste em dedicar 67 minutos a ajudar os outros. O tema deste ano em que Mandela faz 95 anos é "agir, inspirar a mudança".

Assim, para celebrar os 67 anos de vida que Mandela dedicou à luta pelos direitos humanos, pedimos que cada um ofereça 67 minutos do seu tempo para apoiar uma causa ou para servir a sua comunidade local.

O Dia Mandela é uma chamada para a acção para que as pessoas em toda a parte assumam a sua parte de responsabilidade de tornar o mundo um lugar melhor, com um pequeno passo de cada vez, seguindo o exemplo inspirador de Mandela.

Na sua mensagem oficial para o Dia Internacional Nelson Mandela, o Secretário-Geral Ban Ki-moon afirmou que “a essência do Dia Internacional Nelson Mandela são as boas obras para as pessoas e para o planeta. O seu tema – "agir, inspirar a mudança" – destina-se a mobilizar a família humana para fazer mais para construir um mundo pacífico, sustentável e equitativo. Esta é a melhor homenagem que podemos prestar a um homem extraordinário que encarna os mais altos valores da humanidade”.

Ban Ki-moon lembrou também que, numa altura em que Mandela se encontra hospitalizado “os nossos pensamentos e orações” estão com ele e com a sua família, e com todas as pessoas da África do Sul. “Estamos unidos na admiração por um gigante do nosso tempo”, conclui a mensagem do Secretário-Geral.

Para saber mais sobre o dia de Mandela consulte o website: www.mandeladay.com

Quem é Nelson Mandela?

Nelson Rolihlahla Mandela (nascido a 18 de julho de 1918) é um activista revolucionário Sul-Africano contra o apartheid, e um politico que foi Presidente da África do Sul entre 1994 e 1999. Mandela foi o primeiro negro Sul-Africano a desempenhar essa função, e o primeiro eleito numa eleição multirracial e totalmente representativa. O seu governo concentrou-se em desmantelar o legado do apartheid, combatendo o racismo institucionalizado, a pobreza e a desigualdade, e promovendo a reconciliação racial. Ao longo de 67 anos, Nelson Mandela dedicou a sua vida ao serviço da humanidade – enquanto advogado de direitos humanos, prisioneiro de consciência, mediador internacional para a paz, e como primeiro presidente eleito democraticamente numa África do Sul livre.

Nascido em Xhosa na família real Thembu, Mandela frequentou a Universidade de Fort Hare e a Universidade de Witwatersrand, onde estudou direito.

Embora inicialmente comprometido com o protesto não violento, em 1961 Mandela liderou uma campanha de bombardeamentos contra alvos governamentais. Em 1962 foi preso, condenado por sabotagem e conspirar para depor o governo e condenado a prisão perpétua no Julgamento Rivonia. Mandela passou 27 anos na prisão.

Como Presidente, estabeleceu uma nova constituição e iniciou uma Comissão de Verdade e Reconciliação para investigar violações passadas de direitos humanos. Continuando a política económica liberal do anterior governo, a sua administração introduziu medidas para encorajar a reforma agrária, combater a pobreza e expandir os serviços de saúde.

Com grande controvérsia em torno de parte da sua vida, os críticos de direita denunciaram Mandela como sendo terrorista e simpatizante comunista. Apesar disso, Mandela foi congratulado internacionalmente pela sua acção anti-colonial e anti-apartheid, tendo recebido mais de 250 prémio, incluindo o Prémio Nobel da Paz em 1993 e a Medalha Presidencial da Liberdade dos EUA. Na África do Sul, Mandela é olhado com grande respeito, e é frequentemente tratado por Madiba, o seu nome do clã Xhosa, ou por Tata, que significa “pai”, e é frequentemente descrito como “o pai da nação”.