Sexta, 31 Julho 2015
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

Por 120 votos contra 50, ONU adopta texto pedindo pormenores sobre o plano de reforma de Annan

8 de Maio de 2006 – Atendendo às divisões persistentes entre os Estados-membros em relação a um pacote de propostas de reforma apresentado pelo Secretário-Geral Kofi Annan, a Assembleia Geral das Nações Unidas realizou hoje uma votação nominal, tendo em vista a adopção de uma resolução que saúda o empenhamento de Annan numa ONU mais forte, reafirmando, simultaneamente, o "papel de supervisão" da Assembleia no que se refere a assuntos administrativos e orçamentais, e pedindo uma série de relatórios de acompanhamento que descrevam em pormenor as medidas de reforma propostas.

Por 121 votos contra 50 com 2 abstenções (Noruega e Uganda), a Assembleia adoptou uma resolução que fora aprovada por uma margem semelhante em finais do mês passado na Comissão das Questões Administrativas e do Orçamento (Quinta Comissão), onde a proposta fora inicialmente apresentada por um grupo de 132 países conhecido por Grupo dos 77 e China. A votação na Quinta Comissão rompeu com uma tradição de longa data, segundo a qual as resoluções relativas a questões orçamentais são adoptadas por consenso.

Dirigindo a palavra à Assembleia após a votação, o seu Presidente, Jan Eliasson, da Suécia, lamentou o facto de não se ter mantido a tradição de adoptar por consenso as resoluções sobre questões administrativas, mas advertiu contra o perigo de "uma discussão inútil sobre a incapacidade de se chegar a acordo ou sobre aquilo que poderá ter corrido mal".

Em vez disso, instou os Estados-membros a desenvolverem esforços com vista a alcançar "o mais amplo acordo possível sobre todas as questões de reforma a resolver" e apelou ao diálogo entre aqueles cujas opiniões divergem. "Temos de ouvir o que os outros têm a dizer, procurar compreender melhor as posições uns dos outros e passar da polarização à cooperação", sublinhou, acrescentando que isto seria positivo para todos. "É do nosso interesse comum fazê-lo, bem como do interesse das Nações Unidas".

Falando aos jornalistas depois da reunião, o Presidente deu a entender que o grande alcance das reformas deixara antever um caminho difícil. "Se o Secretário-Geral tivesse proposto um programa menos ambicioso, talvez tivesse conseguido o consenso, mas tratou-se de um esforço sério para ir mais longe e pedir mais – e viram qual foi a reacção dos Estados-membros", disse Jan Eliasson.

Como prova dos progressos efectuados, Eliasson referiu as conquistas notáveis obtidas recentemente na área das reformas, nomeadamente, a criação do Conselho de Direitos Humanos, da Comissão de Consolidação da Paz e do Fundo Central de Resposta em Casos de Emergência (CERF). "Apesar da instabilidade que existe no mundo, apesar do clima por vezes um pouco tenso, temos conseguido resultados reais".

Ao falar à Assembleia depois da votação, Dumisani S. Kumalo, Embaixador da África do Sul e Presidente do G-77, sublinhou que a resolução fora apresentada num espírito construtivo. "Queremos tranquilizar os Estados-membros e dizer que a resolução que acabamos de adoptar não irá de modo algum atrasar ou impedir a reforma das Nações Unidas", disse.

"Com efeito, uma leitura atenta desta resolução revela que muitas das propostas que contém se destinam a melhorar a Organização", acrescentou. "Grande parte da resolução diz respeito a áreas cuja importância e necessidade os Estados-membros de um modo geral reconhecem. As excepções relacionam-se com as propostas que visavam alterar a função de supervisão que os Estados-membros exercem através da Assembleia Geral".

Falando em nome da União Europeia, o Embaixador da Áustria, Gerhard Pfanzelter, manifestou oposição à resolução que, segundo ele, não reflecte as preocupações fundamentais da União e de outros países. Nesta fase inicial, disse, não se deviam rejeitar ou alterar propostas selectivamente, nem introduzir nelas condições que as complicam.

Gerhard Pfanzelter lamentou o facto de os esforços da União para promover um acordo tivessem fracassado e advertiu que o malogro do princípio do consenso na Quinta Comissão devia constituir motivo de grave preocupação para todos. Acrescentou que é necessário restabelecer os métodos de trabalho de longa data daquela Comissão, instando os Estados-membros a adoptarem uma abordagem voltada para o futuro e a restabelecerem o clima de confiança e cooperação.

O Embaixador John R. Bolton dos Estados Unidos disse que a votação sobre as reformas administrativas realizada na Quinta Comissão e a votação de hoje na Assembleia Geral "suscitam graves preocupações relativamente à violação do princípio da tomada de decisões por consenso, que é prática da Quinta Comissão há quase duas décadas".

A resolução é uma resposta ao relatório do Secretário-Geral Kofi Annan intitulado "Investir nas Nações Unidas em Prol do Reforço da Organização em Todo o Mundo", apresentado em Março e destinado a permitir que a ONU se adapte à sua transição de tarefas fundamentalmente burocráticas para um trabalho no terreno tendo em vista poupar vidas. As propostas abrangem modificações aos processos de recrutamento, contratação, formação, afectação e compensação de pessoal, e incluem a redefinição do cargo de Vice-Secretário-Geral. Outras recomendações visam a exploração de formas alternativas de prestação de serviços, incluindo a deslocalização e a eventual subcontratação de funções.

A resolução reafirma, igualmente, o papel de supervisão da Assembleia – e da sua Quinta Comissão – relativamente a assuntos administrativos e orçamentais e no que se refere à realização de uma análise minuciosa e aprovação dos recursos humanos e financeiros e das políticas pertinentes. Outras disposições do texto estipulam que as alterações à função do Vice-Secretário-Geral têm de estar em conformidade com a resolução original da Assembleia que instituiu este cargo. As propostas relativas à alteração da estrutura geral dos departamentos da ONU passam a estar sujeitas à apreciação da Assembleia.

A resolução solicita uma série de relatórios pormenorizados que poderão abrandar o ritmo do processo de reforma, já que o segundo – e último – mandato de cinco anos do Secretário-Geral termina no final de 2006. Entre eles incluem-se estudos sobre o impacte de reformas anteriores e em curso relacionadas com as propostas, o investimento em tecnologias da informação e comunicação, novas opções em matéria de fornecimento de produtos e serviços, práticas de gestão financeira e avaliação de desempenhos e prestação de informação, bem como uma análise minuciosa das normas, regulamentos e políticas relativos a contratos públicos.


 


(Baseado numa notícia produzida pelo Centro de Notícias da ONU a 8/05/2006)

Novo “roteiro” para o Departamento de Informação Pública da ONU

8 de Maio de 2006 – O Comité de informação adoptou, na sexta-feira, uma resolução que servirá de “roteiro” para o Departamento de Informação Pública (DIP) e que pede, em particular, “paridade absoluta” das seis línguas do sítio Web da Organização.

No projecto de resolução adoptado, por consenso, a 5 de Maio, o Comité pediu igualmente ao DIP que continuasse a avaliar os seus produtos e actividades com vista a melhorar a sua utilidade.

O Comité reafirmou também que a racionalização dos centros de informação das Nações Unidas deve ser levada a cabo, caso a caso, uma vez consultados todos os Estados-membros onde estão actualmente situados esses centros.

O Comité sublinhou também a importância de reforçar a capacidade de informação do DIP no domínio das operações de manutenção da paz, bem como o seu papel, em estreita cooperação com o Departamento de Operações de Manutenção da Paz, no processo de selecção do pessoal do serviço de informação destinado a operações ou missões de manutenção da paz da ONU.

O Comité lembra que o DIP deve desempenhar um “ papel essencial” para fazer ouvir a voz da ONU de modo “claro e concreto” e permitir que todos os povos do mundo possam compreender os objectivos da Organização e a sua acção.

Na sua declaração de encerramento, o Secretário-Geral Adjunto para a Comunicação e a Informação, Shashi Tharoor, saudou a adopção deste projecto de resolução, que, a seu ver, servirá de “roteiro” ao DPI, para que possa fazer avançar o seu trabalho, mencionando, porém, que ainda falta percorrer uma grande parte do caminho.

Lembrando a importância do reforço da parceria entre o Departamento de Informação Pública e o Comité de Informação, Shashi Tharoor considerou que esta parceria constituiu um elemento essencial da redefinição do papel do DIP num ambiente mediático complexo e em constante evolução, abrindo assim a via para a sua renovação.



(Baseado numa notícia produzida pelo Centro de Notícias da ONU a 08/05/2006).


Secretário-Geral contribui com o montante do prémio Zayed para a ajuda ao Darfur

A seguinte declaração foi divulgada hoje pelo porta-voz do Secretário-Geral Kofi Annan:

A fim de salientar a necessidade urgente de contribuições para o apelo humanitário no Darfur, o Secretário-Geral decidiu contribuir com o montante de 500 mil dólares do Prémio Zayed, que recebeu em Fevereiro de 2006, para o esforço de ajuda dirigido pelas Nações Unidas no Darfur. Actualmente, as contribuições recebidas constituem apenas 20% do necessário, o que tem consequências devastadoras no terreno. Como disse na sexta-feira passada, Kofi Annan espera que, tal como aconteceu à assistência às vítimas do tsunami, não só os Governos mas também os cidadãos comuns, as empresas e outros actores procurem ajudar a satisfazer as necessidades mais urgentes. O Secretário-Geral espera que a sua decisão incite outros doadores a contribuírem.

O Secretário-Geral anunciara, no momento em que recebeu o prémio, que este serviria como capital de arranque para uma fundação que planeava criar, a fim de promover a educação de raparigas e a agricultura em África. Devido aos cortes maciços nas contribuições para o esforço de auxílio ao Darfur, o Secretário-Geral considera agora que o dinheiro é necessário com maios urgência no Darfur. Contudo, Kofi Annan continua a reflectir sobre a criação de um fundo com o objectivo anunciado anteriormente.



(Fonte: comunicado de imprensa SG/SM/10449 - AFR/1379 de 08/05/2006).



Secretário-Geral condena ataques contra pessoal humanitário internacional no Sudão e no Chade

O Secretário-Geral condena veementemente os recentes ataques contra funcionários da Missão da União Africana no Sudão (AMIS) e de organizações humanitárias internacionais presentes no Darfur (Sudão) e Chade.

O Secretário-Geral lamenta particularmente a morte de um funcionário da AMIS, bem como o ataque contra um funcionário local de uma organização não governamental internacional, no campo de Kalma, e os ferimentos graves infligidos a um funcionário internacional da UNICEF, em Abéché (no Chade oriental).

No momento em que apresentava condolências às vítimas e suas famílias, o Secretário-Geral apelou a que todas as partes adiram ao Acordo de Paz sobre o Darfur, de 5 de Maio de 2006, e o cumpram e se abstenham de qualquer acto de violência.



(Fonte: comunicado de imprensa ref. SG/SM/10448 - AFR/1378 de 08/05/2006).



ECOSOC distribuiu os seus sete lugares no Comité de Organização da Comissão de Consolidação da Paz

O Conselho Económico e Social (ECOSOC) procedeu, esta manhã, à distribuição dos sete lugares que lhe são atribuídos no Comité de Organização da Comissão de Consolidação da Paz. O ECOSOC atribuirá estes sete lugares a 12 de Maio.

Segundo a repartição escolhida pelo ECOSOC, na Resolução adoptada por consenso, será atribuído um lugar a cada um dos cinco grupos regionais, a saber, os Estados de África, os Estados da Ásia, os Estados da Europa Oriental, os Estados da América Latina e Caraíbas e os Estados da Europa Ocidental e Outros. No final da primeira eleição, os dois lugares restantes serão atribuídos respectivamente aos grupos regionais dos Estados de África e dos Estados da Ásia.

O representante da Colômbia, em nome do Grupo de Estados da América Latina e Caraíbas, propôs a aplicação de um princípio de rotação para estes dois lugares suplementares, a fim de permitir que todos os grupos regionais subrepresentados participem no trabalho da Comissão.

Os membros do ECOSOC serão eleitos para o Comité de Organização com um mandato de dois anos, havendo a possibilidade, se for caso disso, de os lugares correspondentes ao mandato serem partilhados pelo grupo regional em causa, sujeito a aprovação do Conselho.

A Comissão de Consolidação da Paz, órgão consultivo intergovernamental, foi criada conjuntamente pela Assembleia Geral e pelo Conselho de Segurança, a 20 de Dezembro de 2005, pondo, assim, em prática uma decisão tomada pela Cimeira Mundial de Setembro de 2005. A Comissão é dotada de um Comité de Organização Permanente, encarregado de elaborar o regulamento e de tratar das questões de organização.



(Fonte: comunicado de imprensa ECOSOC/6195 de 8/05/2006).


70º Aniversário da Organização das Nações Unidas

UN70 Logo Portuguese vertical 250px

Logo only Time for global action banner 253x95 Portuguese

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

O Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental (UNRIC), sedeado em Bruxelas, presta informação sobre as actividades da ONU nos países da região, incluindo Portugal. Põe à disposição do público os principais relatórios da ONU, documentos, publicações, fichas informativas, comunicados de imprensa e notícias, em várias línguas, nomeadamente o português.