Sábado, 23 Setembro 2017
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

Secretário-Geral da ONU profundamente preocupado com o ensaio nuclear da Coreia do Norte

O Secretário-Geral está profundamente preocupado com as notícias segundo as quais o Governo da Coreia do Norte realizou um ensaio nuclear, apesar dos repetidos esforços internacionais para a dissuadir. Esta acção constitui uma violação das normas internacionais sobre desarmamento e não-proliferação, bem como da moratória actualmente em vigor sobre ensaios nucleares. Agrava as tensões regionais na península coreana e compromete a segurança na região e não só.


O Secretário-Geral exorta todas as partes a responderem a este desafio de uma forma construtiva e pede que sejam retomadas urgentemente negociações sérias no quadro das conversações a seis.


O Secretário-Geral vê neste ensaio mais uma razão para que a comunidade internacional relance os seus esforços colectivos para que o Tratado de Proibição Total de Ensaios Nucleares entre em vigor e para que se avance na via do desarmamento nuclear multilateral.


(Fonte; comunicado de imprensa SG/SM/10672 de 9/10/2006)


Pôr fim à violência contra as mulheres: das palavras aos actos - Relatório do Secretário-Geral (sinopse)

A violência contra as mulheres é uma forma de discriminação e uma violação de direitos humanos. Causa sofrimentos indizíveis e perdas em vidas humanas e, devido a ela, um grande número de mulheres em todo o mundo vive com sofrimento e medo. Prejudica as famílias – todas as gerações –, empobrece as comunidades e reforça outras formas de violência em todas as sociedades. A violência contra as mulheres impede-as de alcançar a sua plena realização pessoal, entrava o crescimento económico e compromete o desenvolvimento. A amplitude e a dimensão da violência são um reflexo do grau e persistência da discriminação que as mulheres continuam a enfrentar. Por conseguinte, só pode ser eliminada, se se tentar eliminar a discriminação, promover a igualdade e o empoderamento das mulheres e velar pelo pleno gozo dos seus direitos humanos fundamentais.


Toda a humanidade sairia beneficiada, se se pusesse termo a este tipo de violência e a verdade é que se conseguiram consideráveis progressos no que se refere a criar o quadro internacional para o conseguir. No entanto, surgiram novas formas de violência e, em alguns países, os avanços em direcção à igualdade e a uma vida sem medo sofreram um retrocesso ou estão ameaçados. A prevalência contínua da violência contra as mulheres é a prova de que os Estados não conseguiram ainda combatê-la com a vontade política, a visibilidade e os recursos necessários.


A violência contra as mulheres não é nem imutável nem inevitável e poderia ser drasticamente reduzida ou vir mesmo a ser eliminada, com a vontade política e os recursos necessários. O presente estudo identifica vias para eliminar o fosso entre as obrigações contraídas pelos Estados, em virtude das normas e políticas internacionais, e a sua aplicação inadequada e incoerente a nível nacional. Pede que seja dada às iniciativas que visam erradicar a violência contra as mulheres uma prioridade acrescida nos planos local, nacional e internacional.


Visão de conjunto
A violência contra as mulheres passou do plano privado para o domínio público e tornou-se uma responsabilidade do Estado, graças, em grande medida, ao trabalho realizado ao nível das comunidades pelas associações e movimentos de mulheres, em todo o mundo. Esse trabalho chamou a atenção para o facto de a violência contra as mulheres não ser o resultado de expressões individuais e espontâneas de um comportamento condenável, estando antes profundamente enraizada na relação estrutural de desigualdade que existe entre mulheres e homens. A interacção entre a defesa dos direitos das mulheres e as iniciativas das Nações Unidas foi um dos factores determinantes da definição violência contra as mulheres como uma questão de direitos humanos na agenda internacional.


Registaram-se progressos consideráveis na elaboração e aprovação de normas e critérios internacionais. As obrigações dos Estados no que diz respeito a prevenir, erradicar e punir a violência contra as mulheres foram definidas em instrumentos jurídicos e políticos internacionais. Continua, no entanto, a haver em todo o mundo Estados que não satisfazem as exigências jurídicas e políticas internacionais.


Causas e factores de risco
A origem da violência contra as mulheres reside na desigualdade histórica das relações de poder entre homens e mulheres e na discriminação geral de que as mulheres são objecto tanto na esfera pública como na privada. As disparidades patriarcais de poder, as normas culturais discriminatórias e as desigualdades económicas negam às mulheres os seus direitos fundamentais e perpetuam a violência. A violência contra as mulheres é um dos principais meios de que os homens se servem para controlar a capacidade de agir e a sexualidade das mulheres.


No contexto mais vasto da subordinação das mulheres, as causas específicas incluem o recurso à violência para resolver conflitos, as doutrinas sobre a vida privada e a inércia do Estado. Os padrões de comportamento individual ou familiar, nomeadamente os maus tratos, estão igualmente relacionados com um aumento do risco de violência.


A violência contra as mulheres não se limita a uma cultura, região ou país nem a um grupo específico de mulheres numa sociedade. As diversas manifestações dessa violência e as experiências pessoais das mulheres dependem, porém, de factores como a origem étnica, a classe social, a idade, a orientação sexual, a incapacidade, a nacionalidade e a religião.


Formas e consequências
Existem muitas formas diferentes de violência contra as mulheres – física, sexual, psicológica e económica. Algumas adquirem mais importância, enquanto outras vão diminuindo, à medida que as sociedades sofrem alterações demográficas, uma reestruturação económica e transformações sociais e culturais. Por exemplo, as novas tecnologias podem gerar novas formas de violência, como o assédio pela Internet e o telemóvel. Algumas formas, como o tráfico internacional e a violência contra as trabalhadoras migrantes, transcendem as fronteiras nacionais.


As mulheres são alvo de violência em contextos muito variados – a família, a comunidade, o Estado e um conflito armado e sua sequência. A violência é uma constante na vida das mulheres, do nascimento até à velhice, tanto na vida pública como na vida privada.


A forma mais comum de violência sofrida pelas mulheres é a violência exercida pelo seu parceiro, na intimidade, que, por vezes, culmina na morte. Certas práticas tradicionais muito generalizadas são também prejudiciais, como o casamento precoce e forçado e a mutilação genital feminina. No seio da comunidade, presta-se cada vez mais atenção ao femicídio (assassínio de mulheres por motivos relacionados com o sexo), à violência sexual, ao assédio sexual e ao tráfico de mulheres. A violência exercida pelo Estado, por meio dos seus agentes, por omissão ou mediante as políticas públicas, vai da violência física e sexual à violência psicológica e pode constituir tortura. É cada vez mais evidente o grande número de casos de violência contra as mulheres em conflitos armados, em particular a violência sexual, incluindo as violações.


A violência contra as mulheres tem consequências pesadas para as mulheres, os seus filhos e o conjunto da sociedade. As mulheres que são vítimas de violência têm vários problemas de saúde e menor capacidade de obter rendimentos e de participar na vida pública. Os seus filhos correm muito mais riscos de ter problemas de saúde, baixo rendimento escolar e distúrbios do comportamento.


A violência contra as mulheres empobrece as mulheres e suas famílias, as comunidades e os países. Reduz a produção económica, absorve recursos dos serviços públicos e dos empregadores e reduz a formação de capital humano. Apesar de mesmo os estudos mais completos realizados até agora terem subestimado os seus custos, todos mostram que, se nada for feito para resolver o problema da violência contra as mulheres, isso terá graves repercussões económicas.


A base de conhecimentos
Há provas indiscutíveis de que a violência contra as mulheres é um problema grave e presente no mundo inteiro: 71 países realizaram pelo menos um estudo sobre a violência contra as mulheres. Mas continua a haver uma necessidade urgente de reforçar a base de conhecimentos que permitirá elaborar políticas e estratégias.


Muitos países carecem de dados fiáveis e é impossível estabelecer comparações significativas das informações de que se dispõe. Poucos países recolhem regularmente dados que lhes permitam quantificar as modificações no tempo. É imperioso dispor de informações sobre como as diversas formas de violência afectam os diferentes grupos de mulheres; isto exige dados desagregados em função de certos factores como a idade e a origem étnica. Não se dispõe de suficiente informação para avaliar as medidas tomadas para combater a violência contra as mulheres e determinar o seu impacto. Compete a cada Estado velar por que sejam recolhidos os dados adequados para abordar a questão da violência contra as mulheres, mas a falta de dados não exime os Estados da responsabilidade de prevenir e eliminar a violência contra as mulheres.


Deveria estabelecer-se um conjunto de indicadores internacionais sobre a violência contra as mulheres, baseado em dados fiáveis e acessíveis recolhidos a nível nacional, recorrendo a métodos comparáveis para definir e quantificar a violência.


Responsabilidade dos Estados
Os Estados têm obrigações concretas e claras de abordar o problema da violência contra as mulheres, quer seja exercida pelos seus agentes quer por actores não estatais. Os Estados são responsáveis perante as próprias mulheres, todos os seus cidadãos e a comunidade internacional. Os Estados têm o dever de prevenir actos de violência contra as mulheres, de os investigar, quando se produzam, e de levar a julgamento e punir os seus autores, bem como de oferecer reparação às vítimas e de as ajudar.


Se bem que diferentes circunstâncias e condicionamentos obriguem o Estado a adoptar diferentes tipos de medidas, isso não serve de justificação para a inacção do Estado. No entanto, muitos Estados em todo o mundo não aplicam plenamente as normas internacionais sobre violência contra as mulheres.


Quando o Estado não responsabiliza os autores de violência não só os anima a cometer novos actos como dá a entender que a violência exercida pelos homens sobre as mulheres é aceitável e normal. Essa impunidade não só negar significa negar a justiça às vítimas ou sobreviventes como reforça as desigualdades que afectam também outras mulheres e raparigas.


Práticas promissoras
Muitos Estados estabeleceram práticas acertadas e promissoras para prevenir a violência contra as mulheres ou para lhe responder. As estratégias dos Estados perante a violência devem promover a capacidade de agir das mulheres e assentar nas experiências e na participação das mulheres bem como em parcerias com as ONG e outros actores da sociedade civil. As ONG de mulheres em muitos países empreenderam projectos e programas inovadores, por vezes em colaboração com o Estado.


Os aspectos genéricos dessas práticas acertadas e promissoras podem provir de experiências muito diversas em todo o mundo. Entre os princípios comuns figuram: políticas e leis claras; mecanismos de aplicação sólidos; pessoal motivado e bem preparado; a participação de muitos sectores; e uma colaboração estreita com as associações de mulheres, as organizações da sociedade civil, os círculos académicos e as profissões liberais.


Muitos governos recorrem a planos de acção nacionais, que incluem medidas jurídicas, prestação de serviços e estratégias de prevenção. Os planos mais eficazes incluem um processo de consulta das associações de mulheres e outras organizações da sociedade civil, prazos e critérios precisos, mecanismos transparentes de acompanhamento da aplicação, indicadores do impacte e avaliação, fontes de financiamento previsíveis e adequadas e a integração de medidas que visem encontrar solução para o problema da violência contra as mulheres nos programas de diversos sectores.


O caminho a seguir: uma questão de prioridades
As manifestações de violência contra as mulheres são complexas e variadas. A eliminação deste fenómeno exige dos Estados, das Nações Unidas e de todas as partes interessadas uma resposta global e sistemática. As comunidades locais também são responsáveis por abordar o problema da violência contra as mulheres e devem ser ajudadas nessa missão. Os homens devem igualmente desempenhar um papel, sobretudo na prevenção da violência, e esse papel deve ser examinado e reforçado.


São necessários mecanismos institucionais sólidos ao nível nacional e internacional, para assegurar a aplicação de medidas, a coordenação, o controlo e a responsabilização.


• Os Estados devem tomar medidas urgentes e concretas para garantir a igualdade de género e proteger os direitos humanos das mulheres
A violência contra as mulheres é, simultaneamente, uma causa e uma consequência da discriminação de que são objecto. Os Estados têm o dever de respeitar, proteger, defender e realizar todos os direitos humanos, incluindo o direito das mulheres a não serem discriminadas. Se os Estados não cumprem esse dever, a violência contra as mulheres exacerba-se. Por exemplo, se os Estados permitem que continuem em vigor leis discriminatórias ou leis que não penalizam certas formas de violência contra as mulheres, esses actos serão cometidos com toda a impunidade.


• É indispensável o exercício de liderança para pôr fim à violência contra as mulheres
É fundamental uma liderança a todos os níveis (local, nacional, regional e internacional) e por parte de todos os sectores (nomeadamente os políticos e responsáveis governamentais, personalidades influentes, dirigentes empresariais, organizações da sociedade civil e dirigentes das comunidades).


• Os Estados devem tornar as políticas e práticas nacionais compatíveis com as normas internacionais e as leis compatíveis
É essencial pôr termo à impunidade e velar por que os autores de violência contra as mulheres sejam responsabilizados, se quisermos prevenir e reduzir este tipo de violência. A impunidade pelo exercício de violência contra as mulheres (tanto por agentes do Estado como por outras pessoas) produz-se quando os Estados não aplicam as normas internacionais a nível nacional e local. Os Estados têm o dever de agir com diligência, a fim de prevenir a violência contra as mulheres; investigar esses actos; levar a julgamento e punir os autores, quer se trate de agentes do Estados quer não; e prever formas de reparação para as vítimas.


• Os Estados devem elaborar e manter estratégias multi-sectoriais sólidas e coordenadas, a nível nacional e local
Para pôr fim à violência contra as mulheres é necessário não só um compromisso político claro mas também uma acção sistemática e sustentada, apoiada por mecanismos institucionais permanentes, sólidos e especializados. Os Estados devem apoiar a sua acção no trabalho realizado pelas organizações não governamentais, reforçá-lo e institucionalizá-lo e partilhar essas experiências com outros países.


• Os Estados devem atribuir recursos e financiamento suficientes aos programas que procuram resolver e reparar a violência contra as mulheres
Se não se travar esta violência, os custos sociais, políticos e económicos serão enormes, o que obrigará a fazer investimentos proporcionais na segurança das mulheres. Esse esforço exige uma vontade política expressa pela disponibilização de mais recursos financeiros e humanos. Sectores como a justiça, a saúde, a habitação e a educação são fundamentais para ajudar as mulheres que sobrevivem à violência a terem acesso a bons serviços sociais, jurídicos e de saúde bem como para reforçar as actividades de prevenção.


• A base de conhecimentos sobre todas as formas de violência contra as mulheres deveria ser fortalecida, a fim de servir para a elaboração de políticas e estratégias
As informações que permitem avaliar quais as políticas e práticas que são mais eficazes são escassas. Os governos devem assumir a responsabilidade pela recolha sistemática e publicação de dados, ajudando as ONG, os círculos académicos e outras partes envolvidas nessas actividades.
O sistema das Nações Unidas pode fazer muito para reforçar a capacidade dos Estados em matéria de recolha, processamento e difusão de dados sobre violência contra as mulheres. Deveria ser considerado prioritário formar um grupo de trabalho das Nações Unidas encarregado de elaborar um conjunto de indicadores internacionais para avaliar a frequência dos casos de violência contra as mulheres e as consequências dos diferentes tipos de intervenção. Poderia criar-se, nos próximos sete anos, uma base de dados comparáveis a nível internacional sobre a violência física exercida por um parceiro íntimo.


• A Organização das Nações Unidas deve assumir uma liderança mais firme, coordenada e visível para fazer frente ao problema da violência contra as mulheres
A Assembleia Geral, em particular, deve examinar anualmente a questão da violência contra as mulheres e o Conselho de Segurança deveria ponderar a possibilidade de criar um mecanismo de controlo no quadro da resolução 1325 sobre as mulheres, a paz e a segurança, a fim de reforçar o seu contributo para a prevenção e reparação da violência contra as mulheres. Outros órgãos intergovernamentais deveriam também dar o seu contributo para a eliminação da violência contra as mulheres, no âmbito dos seus mandatos.


A Assessora Especial do Secretário-Geral para Questões de Género e de Promoção da Mulher deveria dirigir os esforços da ONU e assegurar a sua coordenação. Nas actividades operacionais das Nações Unidas deveria ser também dada a máxima prioridade a nível nacional à procura de soluções para a violência contra as mulheres, nomeadamente nas missões de ajuda humanitária e de manutenção da paz.


• Os recursos atribuídos pelo conjunto do sistema das Nações Unidas para a resolução do problema da violência contra as mulheres deveriam ser consideravelmente aumentados
Os Estados, os doadores e as organizações internacionais devem aumentar consideravelmente o seu apoio financeiro ás actividades sobre a violência contra as mulheres levadas a cabo pelos organismos e programas das Nações Unidas.


Deve ser dada prioridade a todos níveis à violência contra as mulheres; ainda não lhe foi dada a importância necessária para conseguir mudanças significativas. A vontade política é fundamental, mas também é preciso um investimento considerável de recursos e prestar uma ajuda constante, em especial aos países menos avançados e aos países que saíram de um conflito. É necessária uma abordagem mais coerente e mais estratégica por parte de todos os actores, incluindo os governos, a comunidade internacional e a sociedade civil.


***
Para mais informações, é favor visitar: http://www.un.org/womenwatch/daw/vaw


Darfur: Nações Unidas denunciam um novo massacre a “grande escala”

Num novo relatório publicado, hoje, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos do Homem (ACDH), denuncia os ataques levados a cabo, durante o mês de Agosto, pelas milícias pertencentes a uma tribo árabe apoiada pelo Governo do Sudão, contra dezenas de aldeias do Darfur, onde vivem, sobretudo, tribos africanas. Tais ataques terão provocado centenas de mortes.


O Alto Comissariado exortou o Governo do Sudão a “ordenar um inquérito independente sobre os recentes ataques perpetrados pelas milícias, os quais poderão ter feito centenas de mortos entre os civis, no Sul do Darfur”, anuncia o comunicado publicado em Genebra.


“Entre 300 e 1000 membros das milícias armadas, membros da tribo Habbania, levaram a cabo, durante o mês de Agosto, uma séries de ataques contra 45 aldeias da região de Buram, situada no Darfur-Sul”, afirma o relatório do Alto Comissariado, elaborado em colaboração com a Missão das Nações Unidas no Sudão (UNMIS), graças aos relatos dos sobreviventes.


As populações das aldeias atacadas eram sobretudo das tribos Zaghawa, Massalit e Misserya Jebel.


“Os ataques foram marcados pela violência deliberada contra os civis de tribos de origem africana , queimando casas, pilhando e provocando deslocações maciças da população”, sublinha o comunicado.


“Os ataques parecem ter sido levados a cabo com a aprovação e o apoio material das autoridades sudanesas”, acrescenta o relatório.


Várias centenas de pessoas terão morrido durante os ataques, diz o ACDH.
 
O relatório refere também que as “agressões a grande escala provocaram deslocações caóticas de pessoas e a separação de muitas famílias”.


(Baseado numa notícia produzida pelo Centro de Notícias da ONU a 09/10/2006)


Quarenta países enfrentam escassez de alimentos - Crise no Darfur é a mais premente

Quarenta países, em todo o mundo, enfrentam situações de emergência alimentar e necessitam de assistência externa devido a cheias, secas ou conflitos. A crise na região do Darfur continua a ser o problema humanitário mais premente e pode agravar-se, alerta a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), no relatório Crop Prospects and Food Situation, divulgado hoje.


No Darfur “a já precária situação alimentar pode piorar, se a deterioração das condições de segurança impedir as colheitas que deveriam começar nas próximas semanas”, refere a FAO.


“A última avaliação da FAO mostra que 40 países enfrentam emergências alimentares e necessitam de ajuda externa. A previsão da FAO quanto à produção cerealífera no mundo, em 2006, é de 2013 milhões de toneladas, cerca de 8 milhões menos do que a última previsão e 1,76% menos do que a produção de 2005.


As reduzidas reservas de alimentos obriga a vigiar de perto a situação alimentar no mundo, disse a FAO, acrescentado que a queda nos stocks mundiais poderá conduzir a uma situação mais precária na próxima época, se as condições meteorológicas impedirem o aumento na produção mundial de cereais em 2007.


Apesar de a situação no Darfur ser a mais crítica, a FAO refere que as cheias, chuvas esporádicas e deslocações provocadas por conflitos agravaram, também, a situação alimentar noutras regiões de África, citando os problemas de 15 países, incluindo a Somália onde a “crise alimentar” está a afectar quase 2 milhões de pessoas. Há também a registar casos de insegurança alimentar localizados causados por problemas de acesso em vários países da África Ocidental, nomeadamente Burkina Faso, Guiné-Bissau, Mali, Mauritânia e Níger.


Na Ásia, o relatório sublinha que a reduzida ajuda alimentar e as colheitas destruídas pelas cheias de Junho “aumentaram seriamente a insegurança alimentar” na Coreia do Norte. Refere, também, os problemas em Timor-Leste, Índia, Paquistão e China.


O conflito continua a provocar a deslocação de milhares de pessoas no Iraque. Problemas semelhantes “exacerbaram ainda mais a insegurança alimentar” no Afeganistão, disse a FAO. Refere, também, as altas temperaturas que afectam a produção alimentar na Arménia e acrescenta que continua a ser prestada ajuda em Salvador, Guatemala, Haiti, Nicarágua e Honduras.


(Baseado numa notícia produzida pelo Centro de Notícias da ONU a 09/10/2006)


UNFPA apela aos líderes para que ponham fim à violência contra as mulheres

Fundo saúda o histórico Relatório do Secretário-Geral


A violência contra as mulheres é uma séria violação dos direitos humanos e uma afronta à liberdade das mulheres em geral, disse, hoje, o UNFPA, Fundo das Nações Unidas para a População. A impunidade generalizada não só incentiva abusos e gera mais sofrimento, como  é também um sinal de que a violência masculina contra as mulheres é aceitável ou normal, disse a Directora Executiva do UNFPA, Thoraya Ahmed Obaid, saudando o aprofundado relatório do Secretário-Geral das Nações Unidas, publicado hoje.


“É tempo de acabar com a tolerância e a cumplicidade”, disse Thoraya Ahmed Obaid. “ Não podemos fazer da pobreza uma coisa do passado sem fazermos da violência contra as mulheres, também ela, uma coisa do passado. Não podemos travar a propagação do VIH sem acabarmos com a discriminação e a violência contra as mulheres e raparigas. Não podemos construir um mundo de paz, desenvolvimento e segurança sem acabarmos com a violência contra as mulheres e raparigas”.


Hoje, acrescentou, “ demasiadas mulheres são sujeitas a violência e sentem vergonha devido a isso. Quem deveria ter vergonha era um mundo que muitas vezes responsabilize as mulheres pelos crimes que são cometidos contra elas e  permite que a violência generalizada continue”.


O UNFPA subscreve inteiramente a recomendação do relatório, segundo a qual o sistema das Nações Unidas e outros doadores devem disponibilizar mais recursos para os planos de acção nacionais de prevenção e eliminação da violência contra as mulheres.


Esta recomendação está de acordo com Apelo à Acção de Bruxelas, que foi adoptado em Maio de 2006, durante o Simpósio Internacional sobre Violência contra as mulheres em situações de conflito e para além delas. Esta reunião, patrocinada pela Comissão Europeia, o Governo Belga e o UNFPA, contou com a presença de participantes de um grande número de países afectados por conflitos bem como de parceiros das Nações Unidas.


O estudo do Secretário-Geral, preparado com contribuições do UNFPA e outros organismos, abrange várias formas de violência contra as mulheres, incluindo o controlo sobre a sexualidade feminina e a sua capacidade reprodutiva, a selecção pré-natal em função do sexo e a mutilação genital feminina/excisão. Sublinha as consequências da violência na saúde reprodutiva das mulheres, as quais podem estar na origem de mais mortes maternas e de um risco acrescido de infecção pelo VIH. Outra importante consequência da violência sexual, aponta o relatório, é a gravidez indesejada, sobretudo em situações de conflito.


“O UNFPA trabalha para garantir que a violência contra as mulheres e raparigas faça parte dos programas de saúde sexual e reprodutiva que apoiamos”, disse Thoraya Ahmed Obaid.


“Para milhões de mulheres em todo o mundo, a visita a um centro de saúde pode ser a única oportunidade de obter os serviços e apoio de que necessitam para curar as marcas deixadas pela violência e os abusos e escapar a estes”.


Apesar de todos os progressos alcançados, Thoraya Ahmed Obaid “concorda, plenamente, com a conclusão do Secretário-Geral de que a violência contra as mulheres requer mais atenção e recursos, a todos os níveis, para que se possa procurar o problema com a seriedade e a visibilidade necessárias”.


O UNFPA está empenhado em trabalhar com outros para acabar com a violência contra as mulheres e crianças, disse Thoraya Ahmed Obaid. “ E gostaria de sublinhar”, acrescentou, “ que nunca poremos fim à violência contra as mulheres enquanto os homens não se tornarem parceiros e as raparigas e rapazes não forem educados numa numa cultura de respeito e responsabilidade e com igualdade de oportunidades”.


Recentemente, o UNFPA associou-se a outros parceiros das Nações Unidas para alertar para o aumento dos ataques perpetrados pelos beligerantes contra as mulheres e crianças no Darfur. Num comunicado, emitido hoje, os parceiros apelaram a que todas as partes no conflito respeitem as resoluções do Conselho de Segurança e relembraram ao Governo sudanês o seu dever de investigar com rigor e transparência todos os crimes, sobretudo os cometidos contra as mulheres e crianças, e deduzir acusações.



(Fonte: Comunicado de Imprensa do UNFPA de 09/10/2006)


Sustainable Development Goals LOGO PT vertical 250

Sustainable Development Goals POSTER 250px

Together Logo Portugal

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

O Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental (UNRIC), sedeado em Bruxelas, presta informação sobre as actividades da ONU nos países da região, incluindo Portugal. Põe à disposição do público os principais relatórios da ONU, documentos, publicações, fichas informativas, comunicados de imprensa e notícias, em várias línguas, nomeadamente o português.