Sábado, 20 Dezembro 2014
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

Achim Steiner eleito novo director do PNUE

A Assembleia Geral elegeu hoje o alemão Achim Steiner para o cargo de Director Executivo do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA), por um mandato de quatro anos, de 15 de Junho de 2006 a 14 de Junho de 2010.


Achim Steiner é actualmente director-geral da União Mundial para a Natureza, a maior rede ambiental do mundo, que reúne os organismos governamentais e organizações não-governamentais de 140 países, diz um comunicado publicado hoje em Nova Iorque.


Achim Steiner foi recomendado pelo Secretário-Geral da ONU para o cargo, sucedendo a Klaus Toepfer, que está à frente dos destinos do PNUA desde 1 de Fevereiro de 1998.



(Baseado numa notícia produzida pelo Centro de Notícias da ONU a 16/03/2006)


Iraque longe de uma guerra civil, mas actual situação é muito preocupante, segundo Enviado das Nações Unidas

Afirmando que o Iraque está num período “crucial”, o principal enviado das Nações Unidas para o país disse hoje que, embora não se esteja perante uma guerra civil, a situação pode degenerar numa “ingovernabilidade”, a não ser que todos os Iraquianos participem no processo político.


Falando à imprensa um dia depois de ter informado o Conselho de Segurança, Ashraf Jehangir Qazi, Representante Especial do Secretário-Geral para o Iraque, classificou a situação de “muito preocupante, particularmente depois do incidente de Samarra”, referindo-se ao bombardeamento, em Fevereiro, de um importante santuário xiita.


“Estamos, sem dúvida, perante um conflito sectário brutal, de uma envergadura limitada....Não chegaria ao ponto de descrever a situação como uma guerra civil, mas as pessoas podem dizer que, se a situação não for controlada, poderá haver uma progressiva tendência para um certo tipo de ingovernabilidade”, disse Qazi.


“O Iraque atravessa um período crucial e a população iraquiana tem de se unir para enfrentar os desafios”, devendo fazer num contexto nacional.


Ahshraf Qazi sublinhou a importância da formação de um Governo que represente todos os sectores da sociedade.
Frisando a urgência de formar um Governo com uma base ampla ou um Governo de Unidade Nacional o mais depressa possível, disse aos jornalistas que a situação tinha de ser resolvida para que se torne menos frágil.


Ao apresentar o relatório da Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMI) ao Conselho de Segurança, o Representante Especial do Secretário-Geral recordou que o papel da ONU no domínio da reconstrução, da ajuda humanitária e dos defesos humanos continuava a ser entravado pela falta de segurança e os reduzidos meios de transporte aéreos.



(Baseado numa notícia produzida pelo Centro de Notícias da ONU a 16/03/2006)


Em Bruxelas, Coordenador das Nações Unidas para a Gripe das Aves admite possibilidade de Europa ter de intensificar acção contra propagação do vírus

David Nabarro, Coordenador das Nações Unidas para a Gripe das Aves, estará dois dias em Bruxelas, a fim de se reunir com funcionários da União Europeia, chefes de organismos das Nações Unidas, a Federação Internacional para a Saúde Animal da Europa e o Governo belga. Estes encontros serão o início de uma série de reuniões que prosseguirão na próxima semana, em África, e em Abril, na Ásia, onde já várias pessoas morreram infectadas com o vírus H5N1.


Durante a sua estada em Bruxelas, o Dr. Nabarro teve um encontro com a imprensa, organizado pelo Centro de Informação Regional das Nações Unidas para a Europa Ocidental, durante o qual lançou um alerta à Europa.


Referindo-se à luta contra a doença afirmou que, a longo prazo, a Europa teria de aumentar o seu apoio e reforçar os seus compromissos. Elogiou, contudo, o papel que a Comissão Europeia tem desempenhado nesta questão, relativamente quer aos Estados-membros, quer a países terceiros, nomeadamente as medidas tomadas a nível veterinário.


Interpelado por um jornalista sobre uma possível pandemia na Europa, David Nabarro afirmou que em saúde pública é impossível quantificar o risco, sendo difícil fazer previsão. Sublinhou, no entanto a importância de alertar as pessoas para a questão, fornecendo-lhes informações sobre a melhor forma de prevenir o contágio. Neste sentido, disse que, embora as pessoas pudessem continuar a consumir aves, era aconselhável que, tanto as aves como os ovos, fossem bem cozinhados, de forma a evitar o vírus da gripe das aves, mas também outras patologias como as salmonelas.


Presidente de Timor Leste pede ajuda internacional para o seu país

O Presidente de Timor Leste defendeu ontem a importância do perdão para a reconstrução dos povos devastados por anos de conflito, acrescentando, porém, que, com essa política não se pretendia favorecer a impunidade, mas sim criar condições para que as pessoas pudessem construir o seu futuro.


O Presidente timorense encontra-se em Genebra, para pedir a ajuda internacional para a reconstrução do seu país, onde metade da população carece de água potável e o rendimento médio per capita é de quase um dólar por dia.


Xanana Gusmão disse ter-se encontrado com a Alta Comissária para os Direitos Humanos, Louise Arbour, a quem pediu ajuda para consolidar os valores democráticos no seu país, enfrentar os problemas de género e violência doméstica e ajudar a sociedade civil a difundir os valores de direitos humanos. Informou que foi criado o gabinete do Provedor de Justiça, acrescentando que pedira a organismos da ONU que fornecessem programas de formação e ajuda financeira.



(Baseado numa notícia produzida pelo Centro de Notícias da ONU a 15/03/2006)


Secretário-Geral acolhe com satisfação a histórica criação do Conselho de Direitos Humanos pela Assembleia Geral

Segue-se o texto da declaração do Secretário-Geral da ONU, Kofi Annan, sobre o Conselho de Direitos Humanos, publicada hoje em Antananarivo, Madagáscar:


Hoje, graças à adopção desta resolução histórica, a Assembleia Geral acaba de estabelecer o novo Conselho de Direitos Humanos que os dirigentes do planeta tinham decidido criar, na Cimeira Mundial de Setembro passado. É uma oportunidade dada à ONU – que tanto dela necessitava – de dar um novo ímpeto ao trabalho da Organização em matéria de direitos humanos, em todo o mundo. Felicito o Presidente da Assembleia Geral, Jan Eliasson, e agradeço-lhe a paciência e perseverança que permitiram chegar a uma solução em relação a esta questão sensível. Nenhum país estará inteiramente satisfeito com o conteúdo de todos os parágrafos da resolução, mas isso faz parte da própria natureza das negociações internacionais. Este texto preserva certas características importantes da Comissão de Direitos Humanos, como o sistema de procedimentos especiais e a participação das ONG, ao mesmo tempo que introduz inovações importantes que permitirão corrigir os pontos fracos da Comissão. Vista no seu conjunto, a resolução proporciona bases sólidas, a partir das quais todos os que estão firmemente empenhados na causa dos direitos humanos devem elaborar a sua acção. Estou certo de que conseguirão criar um quadro no âmbito do qual os governos do mundo inteiro poderão trabalhar em conjunto para promover os direitos humanos, de uma forma muito mais eficaz do que antes.


Esta etapa é apenas a primeira num processo de mudança. Nas próximas semanas, os Estados que desejem ser eleitos para o novo Conselho comunicarão as suas contribuições e os seus compromissos em matéria de protecção e promoção dos direitos humanos. Competirá aos outros Estados-membros avaliar essas promessas e exigir o seu cumprimento por parte dos Estados eleitos. A Assembleia Geral procederá à votação de todos os candidatos e recairá sobre ela a responsabilidade de suspender qualquer membro do Conselho que cometa violações graves e sistemáticas dos direitos humanos. Os membros que forem eleitos para o Conselho comprometer-se-ão previamente a respeitar as normas mais elevadas em matéria de direitos humanos, a cooperar plenamente com o Conselho e a ver a sua actuação nesse domínio ser avaliada, no decurso do seu mandato. Este mecanismo de exame universal permitirá que o Conselho faça todos os Estados-membros cumprirem as suas obrigações em matéria de direitos humanos de uma maneira justa, equitativa, não selectiva e não assente no princípio de “dois pesos e duas medidas”. O Conselho reunirá regularmente ao longo do ano e poderá convocar sessões extraordinárias. Isto deveria permitir-lhe enfrentar todas as crises de direitos humanos a qualquer momento e onde quer que se produzam.


O nosso verdadeiro trabalho começa hoje. O verdadeiro teste da credibilidade do Conselho será o uso que dele farão os Estados-membros. Se, nas próximas semanas e meses, agirem de acordo com os compromissos tomados nesta resolução, estou seguro de que o Conselho revitalizará o nosso trabalho em prol dos direitos humanos e que, desse modo, contribuirá para melhorar as vidas de milhões de pessoas em todo o mundo.



(Fonte: comunicado de imprensa SG/SM/10376 – DH/4886 de 15/03/2006)


69º Aniversário da Organização das Nações Unidas assinalado em Lisboa e Porto

UNDAY-PT

Façamos um mundo melhor

Vamos fazer do mundo um lugar melhor 

Vídeo apresentado no contexto da Cúpula do #Clima das Nações Unidas.

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

O Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental (UNRIC), sedeado em Bruxelas, presta informação sobre as actividades da ONU nos países da região, incluindo Portugal. Põe à disposição do público os principais relatórios da ONU, documentos, publicações, fichas informativas, comunicados de imprensa e notícias, em várias línguas, nomeadamente o português.