Terça, 06 Dezembro 2016
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

Jovens líderes prometem empenhar-se na realização dos objectivos de desenvolvimento

Centenas de jovens da maioria dos 192 Estados-membros das Nações Unidas prometeram hoje empenhar-se na realização de uma série de objectivos de desenvolvimento, nomeadamente a erradicação da pobreza e da fome, no final de uma Cimeira de Jovens Líderes.


Os três dias de discussões, debate interactivo, concertos e seminários, na Sede da ONU em Nova Iorque abordaram as melhores formas de alcançar os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) e utilizaram os temas do desporto e da cultura para incentivar os jovens a participarem mais activa na luta pelo desenvolvimento.


“O desporto pode ser uma ferramenta excelente para os esforços em prol da realização dos ODM e espero que todos vós procureis encontrar maneiras de aproveitar esse potencial”, disse Adolf Ogi, Assessor Especial do Secretário-Geral para o Desporto ao Serviço do Desenvolvimento e da Paz, nas suas declarações finais.


A Declaração da Cimeira, que, segundo os delegados, estará disponível dentro de uns dias, pede aos Governos que honrem os seus compromissos, para que os ODM sejam atingidos no prazo definido.


Djibril Diallo, Director do Gabinete para o Desporto ao Serviço do Desenvolvimento e da Paz, sedeado em Nova Iorque, salientou o apoio do sector privado à Cimeira e sublinhou o papel que os jovens líderes terão na promoção da mensagem sobre o desenvolvimento.


“Como porta-vozes dos jovens, os delegados mobilizarão outros jovens e parceiros dos sectores público e privado nos seus países, com vista a acelerar o avanço em direcção aos ODM”, disse Djibril Diallo.


No seu discurso de abertura da Cimeira, no Domingo, o Secretário-Geral Kofi Annan abordou o combate ao VIH/SIDA e malária, a partilha de conhecimentos, a educação, a igualdade de género e várias outras questões relacionadas com o desenvolvimento.


(Baseado numa notícia produzida pelo Centro de Notícias da ONU a 31/10/2006)


Conselho de Segurança prolonga a missão da ONU no Sara Ocidental até Abril de 2007

Apelando a que todas as partes no Sara Ocidental e aos Estados vizinhos cooperem inteiramente com a missão das Nações Unidas para levar paz ao território, o Conselho de Segurança votou, hoje, a prorrogação da Missão da ONU por mais seis meses, ou seja, até Abril do próximo ano.


“O Conselho de Segurança ...[reafirma] o seu compromisso de ajudar as partes a encontrarem uma solução política justa, duradoura e mutuamente aceitável, que garanta a autodeterminação do povo do Sara Ocidental”, refere a resolução adoptada por unanimidade pelos 15 membros do Conselho de Segurança.


“[Reitera] o apelo a que todas as partes e Estados da região continuem a cooperar plenamente com as Nações Unidas para superar o actual impasse e para conseguir avançar em direcção a uma solução política  [e] decide prorrogar o mandato da Missão das Nações Unidas para o Referendo no Sara Ocidental (MINURSO) até 30 de Abril de 2007”.


O último relatório de Kofi Annan sobre a região, publicado no mês passado, recomendava o prolongamento da Missão por seis meses e apelava a que Marrocos e a Frente Polisario desistissem de impor condições prévias e iniciassem negociações.


O relatório diz também que os países vizinhos – a  Argélia e a Mauritânia -- deveriam ser convidados a participar nas conversações de paz.


Os beligerantes não têm qualquer contacto directo entre si, desde que o cessar-fogo promovido pela ONU entrou em vigor há 15 anos. Kofi Annan diz, no seu relatório, que
“isto continua a ter um efeito negativo na confiança mútua e impede a adopção de procedimentos que possam ajudar a estabilizar a situação em momentos críticos”.


A MINURSO foi criada em 1991 para vigiar o cessar-fogo e organizar um referendo sobre a autodeterminação desta antiga colónia espanhola que Marrocos reivindica como fazendo parte do seu território e onde a Frente Polisário luta pela independência.


(Baseado numa notícia produzida pelo Centro de Notícias da ONU a 31/10/2006)


OMS cria uma rede de luta contra a corrupção no mercado dos medicamentos

O mercado dos produtos farmacêuticos, que atinge a soma colossal de 50 mil milhões de dólares anuais, tornou-se de tal forma importante que ficou muito exposto à corrupção, denuncia a Organização Mundial de Saúde (OMS), que lançou, hoje, uma nova iniciativa para ajudar os governos a combaterem este flagelo.


A OMS criou um grupo de especialistas na luta contra a corrupção e peritos em medicamentos vindos de organizações internacionais e de diferentes países, com o objectivo de promover uma maior transparência na regulamentação e compra de mediamentos, diz um comunicado publicado hoje, em Genebra.


A agência da ONU considera que até 25% dos medicamentos comprados pelos governos podem ser perdidos devido a fraudes e outras práticas ilícitas.


Antes de chegarem aos que deles precisam, os medicamentos passam por diversos intermediários ao longo de uma complexa cadeia de produção e distribuição, o que os torna um alvo privilegiado da corrupção, explica o comunicado.


Um relatório recente da organização não-governamental Transparency International cita o caso de um país onde “o montante perdido devido à corrupção e à fraude no meio hospitalar representa dois terços dos medicamentos comprados”.


“É uma aberração, se imaginarmos que as populações pobres enfrentam já uma elevada taxa de morbilidade e um acesso insuficiente aos medicamentos”, afirmou Howard Zucker, Director-Geral Adjunto da OMS responsável pelos produtos farmacêuticos.


Para além do desperdício de recursos e do perigo que representa para a vida dos pacientes, a corrupção permite também a entrada na cadeia farmacêutica de produtos contrafeitos de qualidade inferior, o que constitui outra ameaça para a saúde dos consumidores, acrescenta a OMS.


A corrupção intervém em diferentes níveis da cadeia e pode tomar várias formas. Trata-se, por vezes, de subornos dados aos funcionários para obter a homologação de medicamentos sem que a documentação necessária seja entregue; noutros casos, os responsáveis atrasam deliberadamente os processos de homologação para extorquir dinheiro aos fornecedores, explica o comunicado.


A OMS cita ainda os roubos e fraudes que podem ser cometidos ao longo da cadeia de distribuição, e nomeadamente nas instituições de saúde.


Para lutar contra o problema, a OMS pretende reforçar as autoridades de regulamentação e as práticas relativas à compra, nomeadamente incentivando a adopção de leis anti-corrupção, combinadas com outras medidas.
 
“A corrupção é um problema mundial que afecta sem distinção os países de elevado e de baixo rendimento e ninguém se deve coibir de abordar esta questão. Mas os países de baixo rendimento são mais vulneráveis e são eles que queremos ajudar em primeiro lugar, por meio da promoção de práticas mais transparentes e mais económicas”, conclui Hans Hogerzeil, responsável pela política e normas farmacêuticas da OMS.


(Baseado numa notícia produzida pelo Centro de Notícias da ONU a 31/10/2006)


Todos os Timorenses são responsáveis pelo êxito das eleições de 2007, afirmam especialistas em questões eleitorais

Depois de ter chegado a Dili, iniciando, assim, a sua primeira visita oficial a Timor Leste, a equipa de peritos das Nações Unidas encarregada de verificar as eleições do próximo ano disse que todos os Timorenses são responsáveis pelo êxito das eleições e sublinhou a importância destas para consolidar a estabilidade, depois da crise de violência que abalou o país, há uns meses.


“É da responsabilidade dos cidadãos, de todos os partidos políticos e da sociedade civil ter consciência da importância deste processo, das normas que devem reger a sua condução e do cumprimento dessas normas”, disse Reginal Austin, um dos peritos, numa conferência de imprensa em Díli.


“As eleições do próximo ano são muito importantes para a processo de consolidação da democracia e da estabilidade em Timor Leste. Somos, como tem sido dito, uma equipa independente encarregada da certificação das eleições; somos independentes em relação a todas as autoridades e, nesse sentido, estamos aqui na qualidade individual de peritos neste domínio”.


Os outros peritos, também nomeados pelo Secretário-Geral este mês, são Lucinda Almeida e Michael Maley. Os três formam a equipa independente de certificação, que é um novo conceito criado para assegurar a credibilidade das eleições, velando pelo cumprimento de várias normas.


“A nossa tarefa será, essencialmente, por assim dizer, acompanhar muito atentamente os esforços das autoridades – tanto a nível nacional como internacional – para assegurar que as eleições sejam credíveis e eficazes. E devemos fazê-lo segundo normas que são muito claras”, disse Reginald Austin.


Disse ainda que entre elas figuram a Constituição do país bem como um conjunto sólido de normas internacionais estabelecidas nos últimos 20 anos, acrescentando que a primeira visita da equipa coincide com uma “fase crucial” da preparação das eleições, nomeadamente a elaboração da lei eleitoral.


Reginald Austin informou que estavam planeadas mais visitas e que, no final de cada uma delas, a equipa informaria o Secretário-Geral, bem como o seu Representante  Especial em Timor Leste e o público.


Falando também na conferência de imprensa de hoje, o Representante Especial em exercício, Finn Reske-Nielsen, repetiu os apelos a que as divergências políticas fossem resolvidas nas urnas e não por meio de lutas.


O Conselho de Segurança criou uma UNMIT (Missão Integrada das Nações Unidas em Timor Leste) alargada, em Agosto, a fim de ajudar a restabelecer a ordem, depois de uma crise atribuída a diferendos entre as regiões oriental e ocidental ter eclodido em Abril, após o despedimento de 600 soldados em greve, um terço das forças armadas. A violência que se seguiu causou pelo menos 37 mortos e levou 155 000 pessoas, ou seja, 15% da população total, a abandonarem as suas casas.


Entretanto, em Nova Iorque, Kofi Annan informou o Conselho de Segurança da sua intenção de nomear Atul Khare (Índia) seu Representante Especial para Timor Leste e Chefe da Missão da ONU, disse um porta-voz hoje. Atul Khare sucederá a Sukehiro Hasegawa (Japão) que concluiu o seu mandato no final de Setembro.


(Baseado numa notícia produzida pelo Centro de Notícias da ONU a 31/10/2006)


Mensagem dirigida pelo Secretário-Geral da ONU, Kofi Annan, ao fórum sobre a governação da internet, Atenas, 30 de Outubro de 2006

Apresentada por Nitin Desai, Assessor Especial para a Cimeira Mundial sobre a Sociedade da Informação


É com muito prazer que envio as minhas saudações a esta sessão inaugural do Fórum sobre a Governação da Internet e quero agradecer ao Governo grego e ao povo da Grécia o seu generoso acolhimento.


O Fórum é uma instância nova e importante para o diálogo político multilateral. Vem dar continuidade ao dinamismo gerado na Cimeira Mundial sobre a Sociedade da Informação, realizada em duas fases. E representa mais um avanço ao nível dos esforços que temos vindo a desenvolver para levar os benefícios das tecnologias da informação e da comunicação a todas as pessoas do mundo. Com efeito, anima-me muito constatar que, durante o processo de preparação, todos os intervenientes reconheceram que a Internet pode desempenhar um papel muito importante no que se refere a ajudar os países em desenvolvimento a promoverem o seu bem-estar económico e social, e todos concordaram em considerar a dimensão do desenvolvimento como a prioridade máxima do Fórum.


Hoje, o Fórum vai entrar em território desconhecido. O seu mandato, decidido ao mais alto nível político, estabelece que o Fórum não deve ser um mobilizador de governos mas sim de todas as partes interessadas. Deverá, portanto, criar procedimentos e práticas destinados a promover uma cooperação profícua entre parceiros muito diversos. Embora isto represente sem dúvida um desafio, a Internet presta-se particularmente bem a esta procura de novas formas de colaboração mundial.


A Internet, que tem mais de mil milhões de utilizadores em todo o mundo e continua a crescer, já ultrapassou a sua origem como rede dirigida por, e destinada a, especialistas em computadores. Na verdade, já é actualmente demasiado importante para a economia e a administração de quase todos os países para que os governos não se interessem por ela. O desafio consiste, portanto, em aproximar duas culturas: a comunidade Internet não governamental, em que as decisões são tomadas informalmente, da base para o topo, e o mundo mais formal e mais estruturado dos governos e das organizações intergovernamentais.


O Fórum sobre a Governação da Internet poderá dar um bom contributo para este esforço promovendo o diálogo e permitindo que sejam expressas opiniões muito diversas, incluindo as de indivíduos e instituições dos países em desenvolvimento ligados à governação da Internet. O Fórum dará destaque à cooperação voluntária e não à imposição por lei. E, embora o seu objectivo não seja tomar decisões, poderá identificar questões para serem resolvidas através de processos intergovernamentais formais.


Espero que esta sessão inaugural assinale o lançamento de um processo de aprendizagem mútua, gere novas ideias e contribua até para o estabelecimento de algumas novas parcerias. Desejo o maior êxito a este encontro.


Sustainable Development Goals LOGO PT vertical 250

Sustainable Development Goals POSTER 250px

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

O Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental (UNRIC), sedeado em Bruxelas, presta informação sobre as actividades da ONU nos países da região, incluindo Portugal. Põe à disposição do público os principais relatórios da ONU, documentos, publicações, fichas informativas, comunicados de imprensa e notícias, em várias línguas, nomeadamente o português.