Quinta, 27 Novembro 2014
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

Ban Ki-moon forma Painel independente de investigação à destruição de Gaza, apela à via do diálogo para resolver tensões entre Israel e Palestina

08-26-2014Gaza UNICEFEntre o reacendimento da violência entre israelitas e palestinianos, o Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon apelou ontem a todas as partes para fazerem os possíveis para acalmar o clima de hostilidades em ebulição e continuar através da via do diálogo no caminho para a paz.

Continuar...

Em Conferência da ONU, educação destaca-se no planeamento para um futuro sustentável

11-10-2014Bokova JapanO papel que a educação pode desempenhar em preparar a juventude mundial para um futuro sustentável está-se a tornar cada vez mais relevante, particularmente quando o planeta enfrenta desafios económicos, sociais e ambientais cada vez mais acentuados, afirmou a presidente da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), irina Bokova, ontem na abertura da conferência sobre educação em Aichi-Nagoya, Japão.

Continuar...

Secretário-Geral da ONU elogia progresso na luta contra o vírus do Ébola, apelando a uma resposta mais intensa

08-05-Monrovia LiberiaO mundo está no “caminho certo” para derrotar o Ébola, na medida em que as taxas de infeção do vírus mortífero demonstram alguns sinais de abrandamento nas áreas mais afetadas da África Ocidental, o Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon declarou ontem enquanto pediu à comunidade internacional que permanecesse constante na luta contra a doença até à sua extinção.

Continuar...

Água é crucial para a paz mundial e desenvolvimento, Vice Secretário-Geral da ONU afirma numa cimeira em Londres

11-06-2014WaterO mais básico de todos os direitos humanos –água – é também um elemento central nos assuntos internacionais e na agenda de desenvolvimento  com implicações gerais na paz e segurança. Afirmou ontem, o Vice Secretário-Geral das Nações Unidas aos participantes da Cimeira Mundial da Água realizada em Londres.
 
“Por todo o mundo hoje, vemos como a falta de acesso à água pode fomentar conflitos e ainda ameaçar a paz e estabilidade”, Jan Eliasson apontou assim que fazia o discurso chave sobre “Enfrentando os Desafios Relacionado com Água a nível mundial: O que vem a seguir?”, à Cimeira, que foi organizada pelo The Economist. 
O Vice Secretário-Geral sublinhou a necessidade de haver “diplomacia da água, ou hidro-diplomacia” , com o acesso à água a degredar-se devido às alterações climáticas, ou com riscos associados a pressões demográficas que criam tensões sociais, instabilidade política e intensos fluxos de refugiados.
 
A cimeira contém várias apresentações e painéis, incluindo sobre o desafio da urbanização, abordagens sustentáveis da agricultura, saneamento e uma discussão de alto nível sobre segurança da água.
A participar na Cimeira estão ministros da água e do ambiente do Uganda, Singapura e Mongólia tal como representantes de organizações não governamentais, o sector privado e várias publicações.
 
Durante o seu discurso, o Vice Secretário-Geral relembrou ver a água a ser usada como arma durante o conflito do Darfur no Sudão.
“Numa viagem em 2007, ao Norte do Darfur, assim que chegámos a uma aldeia, fomos recebidos por um grupo de mulheres que cantaram “água, água, água”. A milícia inimiga tinha lhes envenenado o poço”, disse Jan Eliasson aos participantes.
 
E mais recentemente, o Estado Islâmico do Iraque e Levante (EIIL) também explorou o acesso à água para expandir o seu controlo sobre o território e subjugar a população. Também desde o Tadjiquistão à Etiópia,  tensões montante e jusante relacionadas com grandes projectos hidroeléctricos permanecem um problema
.
No entanto as tensões relacionadas com água não são exclusivas de países em conflito ou em desenvolvimento apenas. Nos últimos anos, o mundo testemunhou o surgimento de crises relacionadas com água desde a seca da bacia oriental do mar de Aral a uma seca sem precedentes de três anos na Califórnia.
 
Adicionalmente, a rápida urbanização colocou uma pressão enorme na utilização da água e infraestrutura, tornado a água um recurso escasso cada vez mais caro, especialmente para os mais pobres e marginalizados.
 
“Deixe-me partilhar com vocês alguns números. Estima-se que a procura da água cresça  40% até 2050. Cerca de 1,8 mil milhões de pessoas irão viver em breve em países ou regiões com escassez de água”, afirmou o Vice Secretário-Geral.
 
Existem boas notícias, no entanto. Graças à mobilização global inspirada pelos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODMs), dois milhares de milhão de pessoas beneficiaram do acesso a fontes melhoradas de água, um resultado de bons investimentos e políticas.
 
“Mesmo assim, vamos então nos lembrar que 750 milhões de pessoas hoje não dispõem de acesso a água potável”, afirmou Jan unprecedented three-year drought in California..
 
Cerca de 80 por cento da água global é descarregada sem tratamento em oceanos, rios e lagos. Quase 2 milhões de crianças com idades inferiores a cinco anos morrem todos os anos na falta de água potável e de um saneamento decente. 1 milhar de milhão de pessoas em 22 países ainda defecam ao ar livre, disse Jan Eliasson, adicionando que a ONU irá celebrar o primeiro oficial Dia Mundial do Saneamento a 19 de novembro.
 
“Queremos quebrar o silêncio e o tabu à volta das casas de banho e defecação ao ar livre. Estas palavras devem ser elementos naturais do discurso diplomático em desenvolvimento”, adicionou.
 
Relembrando que o saneamento “não se encontrava” nos iniciais ODMs, mas agora é um dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) para o período de 2015-2030, porque “ a experiência demonstrou que o saneamento e boas práticas de higiene são condutores críticos do desenvolvimento”.
Também apelou ao sector privado para se envolver de forma ativa com a ONU Global Compact - principal iniciativa de sustentabilidade corporativa da ONU - que já comprometeu mais de 125 empresas para avançar uma melhor gestão da água  melhores práticas de saneamento.
 
“O envolvimento de corporações no saneamento assegura populações ativassaudáveis tal como sociedades. O saneamento representa também uma oportunidade de negócio, já que existem milhões de pessoas em necessidade”, afirmou.
 
Tensões relacionadas com a água serão claramente exacerbadas pelas alterações climáticas, mas “ não podemos perder vista das oportunidades que a àgua oferece enquanto fonte de cooperação”, A água pode e deve levar à cooperação e a resolução de conflitos.
 
Com cerca de 90 por cento da população mundial a viver em países que partilham rios e bacias de lagos com potêncial para uma gestão partilhada. Quase 450 acordos sobre as águas internacionais foram assinados entre 1820 e 2007.
 
Ele apelou a abordagens mais inteligentes da gestão de água, melhor gestão de gastos para proteger rios e mais uso criativo da tecnologia para “explorar as fronteiras "de dessalinização. Parcerias globais são críticas também.
 
“Nenhum governo consegue implementar a agenda da água sozinho”, disse o Vice Secretário-Geral.
 
07 de novembro de 2014, Centro de Notícias da ONU/Traduzido & Editado por UNRIC

Alto comissário da ONU para os refugiados alerta que sistema humanitário está em dificuldades para atender ao aumento em flecha das necessidades

178032O sistema humanitário global atingiu o seu limite em lidar com a tendência crescente em deslocações forçadas devido ao acumular de pressões resultantes de conflitos e perseguições em todo o mundo, o chefe da agência de refugiados das Nações Unidas alertou ontem, dia 5 de novembro, apelando à comunidade humanitária para “pensar fora da caixa” quando se trata de financiamento de missões de resposta de emergência.

Continuar...

Pág. 3 de 1369

3

69º Aniversário da Organização das Nações Unidas assinalado em Lisboa e Porto

UNDAY-PT

Façamos um mundo melhor

Vamos fazer do mundo um lugar melhor 

Vídeo apresentado no contexto da Cúpula do #Clima das Nações Unidas.

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

O Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental (UNRIC), sedeado em Bruxelas, presta informação sobre as actividades da ONU nos países da região, incluindo Portugal. Põe à disposição do público os principais relatórios da ONU, documentos, publicações, fichas informativas, comunicados de imprensa e notícias, em várias línguas, nomeadamente o português.