Sexta, 03 Julho 2015
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

Com a Síria à beira do “abismo”, agências da ONU apelam aos países vizinhos que mantenham as fronteiras abertas

08-27-2013syriarefugeeOs chefes de duas agências humanitárias das Nações Unidas agradeceram a hospitalidade dos países vizinhos da Síria, que acolhem actualmente cerca de dois milhões de refugiados, e apelaram aos mesmos que mantenham as fronteiras abertas, num contexto de êxodo crescente de sírios que fogem do conflito.

“A Síria pode estar à beira do abismo. Esta guerra resultou numa calamidade humanitária sem paralelo na história recente” afirmou o Alto Comissário da ONU para os Refugiados (ACNUR), António Guterres. “Quando uma guerra varre uma nação, não há nada mais importante para a sua população do que fronteiras abertas”.

António Guterres, juntamente com a Directora Executiva do Programa Alimentar Mundial (PAM), Ertharin Cousin, está actualmente em Bagdad, no Iraque, que oferece abrigo a 200 mil sírios.

“Este é o momento de a comunidade mundial se unir para garantir o fim da violência e o início da ‘cura’”, afirmou Ertharin Cousin. “As crianças da Síria dependem de nós, não apenas para satisfazer as suas necessidades de hoje, mas para lhes trazer a esperança de um melhor amanhã”.

Guterres e Cousin expressaram o seu agradecimento ao Iraque por acolher refugiados sírios e por trabalhar com as organizações da ONU para responder às necessidades básicas, apesar dos desafios de segurança na região e de uma população de 1,1 milhões de iraquianos internamente deslocados.

Durante a sua visita, António Guterres e Ertharin Cousin reuniram com oficiais iraquianos, que expressaram as suas preocupações em relação à capacidade de resposta às necessidades de um número crescente de refugiados, aos problemas de segurança, e o receio de que o conflito possa propagar-se.

Os oficiais da ONU notaram que a presença de milhares de refugiados cria uma grande pressão sobre as comunidades, e prometeram envolver de forma activa os agentes de desenvolvimento para ajudar as comunidades de acolhimento, para que as suas infra-estruturas sejam reforçadas e o seu fardo aliviado.

Apelaram aos doadores que aumentem os fundos para ajudar os refugiados sírios no Iraque, à medida que as necessidades aumentam. Só nas últimas duas semanas, 46 mil sírios atravessaram a fronteira na região do Curdistão iraquiano. Os chefes das agências da ONU agradeceram ao Governo do Iraque o seu anúncio de uma doação de 10 milhões de dólares ao ACNUR para auxiliar os refugiados no país.

Ertharin Cousin sublinhou que a assistência alimentar no Iraque é fornecida aos refugiados essencialmente através de vouchers – um mecanismo de entrega de comida que permite aos refugiados comprar produtos alimentares em lojas locais, ajudando a estimular a economia do país de acolhimento.

“Um voucher do Programa Alimentar Mundial dá aos refugiados a possibilidade de aceder à comida disponível, apoia a economia local e fá-los sentir-se mais bem acolhidos pela comunidade local”, afirmou Cousin, que lembrou ainda que a comida está disponível na região do Curdistão, mas que os refugiados não têm meios para se alimentar sem a assistência humanitária.

Os dois oficiais da ONU seguem hoje para o Norte do Iraque, onde irão visitar campos de refugiados que dão abrigo a milhares de Sírios.

27 de agosto 2013 – Centro de Notícias da ONU | Traduzido por UNRIC

70º Aniversário da Organização das Nações Unidas

UN70 Logo Portuguese vertical 250px

Logo only Time for global action banner 253x95 Portuguese

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

O Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental (UNRIC), sedeado em Bruxelas, presta informação sobre as actividades da ONU nos países da região, incluindo Portugal. Põe à disposição do público os principais relatórios da ONU, documentos, publicações, fichas informativas, comunicados de imprensa e notícias, em várias línguas, nomeadamente o português.