Quinta, 27 Novembro 2014
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

ONU destaca o papel fundamental dos empreendedores na abordagem de questões de desenvolvimento

JovensApoiar jovens empresários é essencial para enfrentar os desafios mais urgentes do mundo e o lançamento de uma nova era de empenho global, foi o que altos funcionários das Nações Unidas disseram ontem, apelando aos governos que promovam ambientes de negócios propícios para ajudar a alcançar o desenvolvimento sustentável.


"[Os empresários] devem ser encorajados a ficar na linha de frente da mudança socioeconómica, a serviço do desenvolvimento sustentável", disse o Presidente da Assembleia- Geral, Vuk Jeremić, no Debate temático sobre Empreendedorismo para o Desenvolvimento, em Nova Iorque.
"Eles são os que estão em melhores condições de dar os primeiros passos cruciais no sentido de quebrar o ciclo de pobreza em seus arredores",
apontou Sr. Jeremić, que durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio +20), realizada no ano passado no Brasil, foi reconhecido pelos países que os governos sozinhos não seriam capazes de alcançar todos os compromissos em matéria de desenvolvimento sustentável, e que a contribuição da sociedade civil e do setor privado foi fundamental para a inovação.
"Eu acredito que os governos devem ver a promoção do espírito empresarial socialmente consciente como um direito de base", disse ele, acrescentando que os empresários devem ter a forma de alavancar novas tecnologias que ajudarão a afastar-se de uma economia que depende da energia baseada em sistemas de carbono.
Os empresários também poderão contribuir para a agenda de desenvolvimento pós-2015 por meio de parcerias público-privadas que se concentram em melhorar a vida das pessoas mais desfavorecidas do mundo, afirmou o Sr. Jeremić.
"Eu acredito que a agenda pós-2015 será levada em frente ou abandonada conforme os governos forem capazes de trabalhar em conjunto com pessoas que encarnam o espírito do empreendedorismo socialmente responsável", disse ele. "Nosso objetivo deve ser o de estabelecer uma nova forma de engajamento global".
Nas suas
observações, o Secretário-Geral Ban Ki-moon, destacou a importância de apoiar os jovens empresários, muitos dos quais estão atualmente enfrentando uma crise económica nos seus países.
"Este ano, cerca de 73 milhões de jovens estarão desempregados. Entre 2016 e 2030, um número estimado de 425 milhões de mulheres e homens jovens vão participar da força de trabalho entre 2016 e 2030. Isso significa que o mundo vai precisar de cerca de meio bilhão de empregos até então ", disse Ban aos participantes.
"Para ajudar a enfrentar este desafio, devemos incentivar, educar e capacitar jovens empresários".
Os países devem-se concentrar não apenas na criação de melhores condições para o empreendedorismo, mas também investir na educação e estimular os jovens, afirmou Ban Ki-moon, acrescentando que eles serão os únicos a criar de postos de trabalho e soluções inovadoras no futuro.
"Peço a todos os parceiros para apoiar o empreendedorismo juvenil, o auto-emprego e as empresas lideradas por jovens. O sistema das Nações Unidas vai fazer a sua parte. Nossa iniciativa do Pacto Global vai continuar se mobilizando e apoiando os jovens empresários na promoção de um futuro mais sustentável", disse ele, acrescentando que o Banco Mundial, a Organização Internacional do Trabalho (
OIT) e do Fundo de Desenvolvimento de Capital das Nações Unidas também estão trabalhando para promover o empreendedorismo juvenil.

26 junho de 2013 | Centro de Notícias da ONU (Traduzido e editado pelo UNRIC)

69º Aniversário da Organização das Nações Unidas assinalado em Lisboa e Porto

UNDAY-PT

Façamos um mundo melhor

Vamos fazer do mundo um lugar melhor 

Vídeo apresentado no contexto da Cúpula do #Clima das Nações Unidas.

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

O Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental (UNRIC), sedeado em Bruxelas, presta informação sobre as actividades da ONU nos países da região, incluindo Portugal. Põe à disposição do público os principais relatórios da ONU, documentos, publicações, fichas informativas, comunicados de imprensa e notícias, em várias línguas, nomeadamente o português.