Quarta, 26 Abril 2017
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

Relatório das Nações Unidas estima que a população mundial alcance os 9,6 mil milhões em 2050

2050A atual população mundial de 7,2 mil milhões está projetada para crescer cerca de 1 milhão nos próximos 12 anos e alcançar cerca de 9,6 mil milhões em 2050, de acordo com um relatório lançado ontem pelas Nações Unidas, que aponta que o crescimento será maior nos países em desenvolvimento, mais da metade na África.

“Enquanto a população tem crescido de forma lenta para uma parte do mundo, este relatório lembra-nos que em alguns países em desenvolvimento, especialmente em África, a população ainda cresce rapidamente”, disse o Sub Secretário-Geral para os negócios Económicos e Sociais, WU Hongbo no lançamento do relatório.

O relatório: A Projeção da População Mundial: Revisão de 2012, observa que a população das regiões desenvolvidas permanecerão em sua maioria sem mudança alguma, por volta dos 1,3 mil milhões de agora até 2050. Ao contrário, pelo menos 49 países desenvolvidos estão projetados para dobrar o tamanho de 900 milhões de pessoas em 2013 para 1,8 mil milhões em 2050.

Em comparação com as avaliações anteriores da evolução da população mundial, a nova população total projetada é superior, principalmente devido às novas informações obtidas sobre os níveis de fecundidade de alguns países. Por exemplo, em 15 países de alta fertilidade da África sub-sahariana, o número médio estimado de filhos por mulher foi ajustada para cima para mais de 5 por cento.

"Em alguns casos, o nível real de fertilidade parece ter aumentado nos últimos anos, em outros casos, a estimativa anterior era muito baixo", disse o diretor da Divisão de População do Departamento de Assuntos Económicos e Sociais da ONU, John Wilmoth, durante uma conferência de imprensa em Nova York.

"Embora tenha havido uma rápida queda no número médio de filhos por mulher em grandes países em desenvolvimento como China, Índia, Indonésia, Irão, Brasil e África do Sul [...] o rápido crescimento deverá continuar ao longo das próximas décadas em países com altos níveis de fertilidade como a Nigéria, o Níger, a República Democrática do Congo, Etiópia e Uganda, mas também no Afeganistão e Timor-Leste, onde há mais de cinco filhos por mulher."

Wilmoth acrescentou que as mudanças nas taxas de fecundidade nas próximas décadas poderia ter consequências consideráveis no tamanho, estrutura e distribuição da população a longo prazo.

O relatório observa que a Índia deverá tornar-se o maior país do mundo, passando pela China, por volta de 2028, quando ambos os países terão uma população de 1,45 mil milhões. Depois disso, a população da Índia vai continuar a crescer e China está prevista para começar a diminuir. Enquanto isso, a população da Nigéria deve superar a dos Estados Unidos antes de 2050.

A população da Europa deverá diminuir em 14 por cento, afirma o relatório, e John Wilmoth alertou que o continente já está a enfrentar desafios na prestação de cuidados e apoio para uma população em rápido envelhecimento.

No geral, a expectativa de vida deverá aumentar nos países desenvolvidos e em desenvolvimento nos próximos anos. A nível global, prevê-se que atinja os 76 anos, no período 2045-2050 e 82 anos em 2095-2100. No final do século, as pessoas nos países desenvolvidos poderão viver, em média, cerca de 89 anos, em comparação com cerca de 81 anos nas regiões em desenvolvimento.

Os dados do relatório são baseados numa ampla revisão de dados demográficos disponíveis de 233 países e regiões em todo o mundo, incluindo a os censos populacionais de 2010.

13 de Junho | Centro de Notícias das Nações Unidas (Traduzido por UNRIC)

Sustainable Development Goals LOGO PT vertical 250

Sustainable Development Goals POSTER 250px

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

O Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental (UNRIC), sedeado em Bruxelas, presta informação sobre as actividades da ONU nos países da região, incluindo Portugal. Põe à disposição do público os principais relatórios da ONU, documentos, publicações, fichas informativas, comunicados de imprensa e notícias, em várias línguas, nomeadamente o português.