Sexta, 25 Julho 2014
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

Assembleia-geral da ONU aprova tratado internacional para regular comércio de armas

TreatyA Assembleia-geral da ONU aprovou um tratado sobre o comércio mundial de armas que não conseguiu obter o apoio unânime na semana passada, mas recebeu o apoio da maioria dos Estados-Membros quando submetido a votação ontem.

A resolução, que contém o texto do tratado, que regula o comércio internacional de armas convencionais, recebeu 154 votos a favor. Três Estados-Membros - República Popular Democrática da Coreia (RPDC), Irã e Síria - votaram contra a decisão, enquanto 23 países se abstiveram.

A ação de ontem veio no seguimento do fracasso da última quinta-feira a Conferência das Nações Unidas sobre o final de Comércio de Armas (TCA) para chegar a um acordo entre todos os 193 Estados-Membros em um texto do tratado na conclusão de sua sessão de duas semanas.

A aprovação do tratado foi recebida por vários membros da ONU, incluindo o Secretário-Geral Ban Ki-moon, que o saudou como uma nova ferramenta poderosa nos esforços para prevenir graves abusos dos direitos humanos, e acrescentou que irá fornecer o tão necessário impulso para o desarmamento global.

"É uma conquista histórica diplomática - o culminar de sonhos de longa data e muitos anos de esforço", disse ele num comunicado divulgado após a ação da Assembleia. "Esta é uma vitória para os povos do mundo todo".

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) saudou a adoção do tratado como um passo crucial para proteger as crianças, em que irá regulamentar a transferência de armas de um país para outro.

"O Tratado de Comércio de Armas pede aos Estados para considerar explicitamente o risco de a permissão de uma transferência de armas pode facilitar atos graves de violência contra mulheres e crianças", afirmou Susan Bissell, chefe da UNICEF para a Proteção à Criança numa nota de imprensa. "Isso é fundamental, uma vez que as armas são hoje uma das principais causas de morte de crianças e adolescentes em muitos países, incluindo muitos que não estão em guerra", acrescentou.

O Assessor Especial da ONU sobre a Prevenção do Genocídio, Adama Dieng, saudou a inclusão no tratado da proibição da transferência de armas que seriam utilizadas na prática de genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra e exortou os Estados a agir rapidamente para aplicar esta proibição, enquanto se aguarda a sua entrada em vigor.

"O Genocídio depende em parte da disponibilidade de armas e munições", disse ele em um comunicado. "Apesar de algumas deficiências do tratado, a sua adoção representa um passo importante na luta para impedir o genocídio e fornece uma nova ferramenta legal para proteger as pessoas que correm risco de morte, e os grupos ameaçados de destruição".

Falando antes da votação, o Presidente da Assembleia Geral, Jeremiæ Vuk, classificou o texto como "inovador", "robusto e possível de implementar".

Ele lembrou que, em 2006, os Estados-membros se comprometeram a envolver-se em um esforço multilateral para a produção de um instrumento juridicamente vinculativo, que estabelece normas comuns para a importação, exportação e transferência de armas convencionais - incluindo navios de guerra e tanques de batalha, combate aeronaves e helicópteros de ataque, bem como armas pequenas e leves.

"Eu, pessoalmente, acredito que o texto final da conferência atende a esses compromissos, em grande medida", afirmou o Sr. Jeremiæ, acrescentando que a falta de um marco regulatório para tais atividades tinha dado uma contribuição "assustadora" para conflitos em curso, instabilidades regionais, êxodo de populações, o terrorismo e o crime organizado transnacional.

O texto estabelece uma relação com a presença de armas em todo o mundo em desenvolvimento, especialmente em áreas afetadas pelo conflito, com o desafio do desenvolvimento sustentável e garantia dos direitos humanos, acrescentou o Sr. Jeremiæ.O presidente da conferência ATT, o Embaixador da Austrália Peter Woolcott, observou que a conferência "chegou muito perto do sucesso". Ele elogiou todas as delegações para "trabalhar duro, negociar de maneira construtiva e olhando para o sucesso", acrescentando que os diferentes interesses e perspectivas na sala de conferências exigido trabalho através de questões complexas.

Cada versão do texto construído sobre os anteriores, disse Woolcott, representou a "expressão de um forum de negociação, compromisso entre muitos interesses diferentes no quarto e, finalmente, o que poderia comandar um consenso da conferência final".Uma vez que o texto foi rejeitado na noite de quinta-feira, um Estado-Membro apresentou um projecto de resolução da Assembleia Geral, na mesma noite, de acordo com o Gabinete do Presidente da Assembleia.

Ao contrário da Conferência, onde todos os 193 Estados-Membros tiveram de concordar com o texto final, na Assembleia era necessária apenas a maioria simples, ou 97 votos, para passar o texto. O tratado entrará em vigor em 90 dias após ser ratificado pelo signatário de número 50.

O tratado regula todas as armas convencionais dentro das seguintes categorias: carros de combate, veículos blindados de combate, sistemas de artilharia de grande calibre, aviões de combate, helicópteros de ataque, navios de guerra, mísseis, lançadores de mísseis, armas pequenas e armamento leve.

De acordo com o Escritório das Nações Unidas para Assuntos de Desarmamento, o tratado não vai interferir no porte doméstico, no comércio ou no direito de portar armas pelos Estados-Membros; proibir a exportação de qualquer tipo de arma; direito de legítima defesa dos Estados ou minar padrões nacionais de regulação de armas já em vigor.

 02 de abril de 2013 | Centro de Notícias da ONU (Traduzido por UNRIC)

 


 Dia em Memória das Vítimas do Genocídio do Ruanda

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

O Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental (UNRIC), sedeado em Bruxelas, presta informação sobre as actividades da ONU nos países da região, incluindo Portugal. Põe à disposição do público os principais relatórios da ONU, documentos, publicações, fichas informativas, comunicados de imprensa e notícias, em várias línguas, nomeadamente o português.