Segunda, 06 Julho 2015
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

Rumo ao Tratado para disciplinar o Comércio de Armas

ARMSRecomeçam hoje em Nova Iorque as negociações para o primeiro Tratado sobre o Comércio de Armas. A conferência que decorre até dia 28 de Março pretende concluir o trabalho iniciado em Julho do ano passado e aprovar um documento que discipline este mercado. Para o Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon “Este é o único caminho para uma maior responsabilização, abertura e transparência no comércio de armas”.

Em todas as partes do mundo, a pronta disponibilidade de armas e munição tem causado sofrimento, repressão política e o terror entre os civis. A transferência irresponsável de armas convencionais desestabiliza a segurança e causa diversos abusos em matéria dos direitos humanos.

A falta de regras internacionais que governem o comércio de armas dificulta a transferência documentada de armas, com a devida avaliação do risco das violações dos direitos humanos e do direito humanitário.

A criação de um Tratado que regule o Comércio de Armas vem sendo discutido sem a presença das Nações Unidas desde 2006 e o dito documento deve ser aprovado, finalmente, este ano.

A Alta Representante para os Assuntos de Desarmamento das Nações Unidas, Angela Kane, afirma que “é necessário que seja feita a igualdade de condições para todas as transferências de armas, pois em um caso o pedido de exportação é negado por um país e aprovado por outro”.

O impacto no trabalho das Nações Unidas com relação à falta de normas que regularizem o comércio de armas é grande.

As ameaças são constantes ao pessoal das Nações Unidas que trabalham em campo e que são testemunhas das atrocidades causadas pela violência armada e dos conflitos.

As consequências de não haver um tratado que discipline o comércio de armas é a venda irregular de armas e isso traz sérios problemas. Um deles é que os grupos que distribuem as armas irregulares procuram a qualquer custo atrapalhar as operações de manutenção da paz, utilizando para isso, a violência. Além disso, grupos envolvidos em conflito terão maior tendência em abandonar processos de paz se puderam continuar a comprar armas facilmente.

Milhares de crianças são mutiladas e mortas por tais armas. Mais de 780 trabalhadores humanitários foram mortos em ataques armados, mais de 689 foram feridos e os ataques parecem ter-se intensificado nos últimos anos. E ao que tudo indica, o pessoal das Nações Unidas tem sido um dos alvos constantes de terrorismo e intimidação.

No dia 14 de Março, Ban Ki-moon reiterou o seu apoio ao Tratado para o Comércio de Armas. Segundo ele, as normas fornecidas pelo mesmo “são importantes para avaliar os riscos de que as armas transferidas não serão usadas ​​para alimentar conflitos, armar organizações criminosas ou apoiar a violação de normas do direito internacional humanitário. Este é o único caminho para uma maior responsabilização, abertura e transparência no comércio de armas”.

Por fim, o Secretário-geral afirmou que o “Tratado vai ajudar a aliviar o sofrimento de milhões de pessoas afetadas pelos conflitos e pela violência armada bem como, permitir que as Nações Unidas possam cumprir o seu mandato para promover a paz, o desenvolvimento e os direitos humanos em todo o mundo”.

O papel principal das Nações Unidas no que se refere ao desarmamento é a Organização e a manutenção das negociações para o Tratado Mundial do Comércio de Armas.

Mais informações em: www.un.org/disarmament

70º Aniversário da Organização das Nações Unidas

UN70 Logo Portuguese vertical 250px

Logo only Time for global action banner 253x95 Portuguese

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

O Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental (UNRIC), sedeado em Bruxelas, presta informação sobre as actividades da ONU nos países da região, incluindo Portugal. Põe à disposição do público os principais relatórios da ONU, documentos, publicações, fichas informativas, comunicados de imprensa e notícias, em várias línguas, nomeadamente o português.