Sábado, 19 Abril 2014
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

Poucas mulheres em ciência e tecnologia: países devem combater a tendência

8jan-newsAs mulheres e meninas correm o risco de ficar para trás nas áreas científicas e tecnológicas, caso os países não ponham em prática medidas para combater a discriminação e alterar as atitudes tradicionais. Esta é uma das conclusões da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que afirma que este gap constitui um obstáculo ao progresso das nações.

“As mulheres tendem a estar sobre-representadas nas áreas de humanidades e ciências sociais, e sub-representadas na ciência e tecnologia”, afirmou Claude Akpokavie membro do Gabinete para as Actividades dos Trabalhadores da OIT. “É necessário implementar medidas para reparar este desequilíbrio”, acrescentou.

De acordo com a OIT, o gap entre homens e mulheres nos campos científico e tecnológico está relacionado com as percepções dos papéis de género e com as atitudes em diferentes sociedades – tanto nos países desenvolvidos como em desenvolvimento – que encorajam as mulheres a seguir disciplinas “mais leves”.

Ao longo dos últimos meses têm surgido histórias recentes que revelam grandes discrepâncias, em vários países do mundo, que impedem a participação das mulheres na ciência e tecnologia, quer na escola, quer no mercado de trabalho, afirma a OIT.

Nos Estados Unidos, por exemplo, um estudo da Universidade de Yale revela que as mulheres formadas em ciências são discriminadas quando se candidatam a posições de investigação. No Irão, o Governo anunciou recentemente que as mulheres serão excluídas de uma série de programas universitários, incluindo física nuclear e engenharia electrotécnica. Na China, várias universidades exigem às mulheres notas de entrada superiores às dos homens para cursos de ciências.

“Em comparação com os rapazes, é menos provável que as raparigas estudem engenharia ou ciências computacionais ou físicas”, afirma a Directora do Gabinete para a Igualdade de Género da OIT, Jane Hodges. “Os estereótipos em relação às raparigas representam-nas como sendo menos interessadas ou menos capazes em certas matérias – como matemática e ciência. Isto reduz inevitavelmente o seu acesso a profissões melhor remuneradas, ou a mercados de trabalho que podem oferecer melhores oportunidades.” “No entanto, quando são encorajadas, as raparigas atingem níveis de excelência nas áreas científicas”, acrescenta.

Com cerca de 500 milhões de pessoas a entrar no mercado laboral global na próxima década, Jane Hodges sublinha que é crucial que as mulheres nas áreas de ciência e tecnologia não sejam mantidas a trabalhar apenas nos níveis mais baixos.

“Embora as mulheres preencham mais de 60% dos postos relacionados com tecnologias de informação e comunicação nos países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), apenas 10 a 20% são programadoras de computadores, engenheiras, analistas de sistemas ou designers”, afirma. “A educação e formação por competências – e uma mudança nas atitudes – são vitais para assegurar que as mulheres não sejam deixadas para trás.”


 Dia em Memória das Vítimas do Genocídio do Ruanda

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

O Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental (UNRIC), sedeado em Bruxelas, presta informação sobre as actividades da ONU nos países da região, incluindo Portugal. Põe à disposição do público os principais relatórios da ONU, documentos, publicações, fichas informativas, comunicados de imprensa e notícias, em várias línguas, nomeadamente o português.