Sábado, 18 Novembro 2017
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

Há discriminação nos EUA no acesso à água potável e ao saneamento,

Catarina de AlbuquerqueOs Estados Unidos têm de fazer mais para eliminar a discriminação no acesso à água potável e ao saneamento, informou, hoje, uma perita das Nações Unidas, referindo as enormes disparidades que afectam negativamente as pessoas de cor e os índios americanos.

"Estou preocupada com o facto de várias leis, políticas e práticas, que à primeira vista parecem neutras, terem um impacto desproporcionado no exercício dos direitos humanos de certos grupos", disse a perita independente das Nações Unidas, Catarina de Albuquerque, a quem o Conselho de Direitos Humanos atribuiu o mandato de examinar as obrigações de direitos humanos relativas ao acesso à água potável e ao saneamento.

 

Citando um estudo sobre o impacto racial dos preços da água e as políticas de cortes de água da Water and Sewer Commission de Boston, Catarina de Albuquerque disse que por cada 1% de aumento do número de pessoas de cor na freguesia de Boston, o número de ameaças de corte de água aumenta 4%.

 

Ao terminar a sua primeira missão de apuramento dos factos àquele país, a perita independente também salientou que 13% das famílias de índios americanos não têm acesso a água potável ou a estruturas de eliminação de águas residuais, o que representa um contraste acentuado com os 0,6% de agregados familiares não índios.

 

"O acesso à água e ao saneamento pode ser ainda mais complicado para os índios americanos consoante pertençam ou não a uma tribo reconhecida pelas autoridades federais", disse Catarina de Albuquerque, observando que, de acordo com as normas internacionais, a existência e identidade tribal não dependem doe reconhecimento ou confirmação da tribo pelas autoridades federais.

 

"Apelo à introdução de medidas legais para modificar o estatuto de tribos não reconhecidas, consideradas extintas, de modo a permitir que todos os índios americanos beneficiem do respeito, privilégios, liberdade religiosa e dos seus direitos à terra e à água", salientou, pedindo aos Estados Unidos para garantirem que o acesso à água e ao saneamento seja disponibilizado a preços comportáveis para as pessoas.

 

Catarina de Albuquerque sublinhou que garantir o direito à água e ao saneamento para todas as pessoas exige uma mudança de paradigma, com novas abordagens que promovam os direitos humanos, prevejam preços acessíveis e criem mais valor em termos de saúde pública, desenvolvimento comunitário e protecção dos ecossistemas mundiais".

 

Insistiu também no acesso à água e ao saneamento para os sem abrigo, salientando que, embora as leis locais nos termos das quais é proibido urinar e defecar em público "pareçam constitucionais à primeira vista, são muitas vezes discriminatórias quanto aos seus efeitos".

 

"Esta discriminação verifica-se frequentemente porque as leis em causa são aplicadas aos sem abrigo, que, em muitos casos, não têm acesso a instalações sanitárias públicas e não têm outras alternativas", declarou.

 

A perita independente congratulou-se com o facto de os Estados Unidos terem aderido a um consenso, nas Nações Unidas, sobre uma resolução que reconhece que o direito à água decorre do direito a um nível de vida adequado.

 

(Baseado numa notícia divulgada pelo Centro de Notícias da ONU a 4/03/2011)

 

 

 

António Guterres visita Dominica após passagem de furacão

Sustainable Development Goals LOGO PT vertical 250

Sustainable Development Goals POSTER 250px

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária