Segunda, 06 Julho 2015
UNRIC logo - Portuguese

A ONU na sua língua

Dia Internacional da Mulher 2010 – Igualdade de Direitos, Igualdade de Oportunidades: Progresso para Todos

BEIJING, 15 ANOS DEPOIS

IGUALDADE DE GÉNERO, DESENVOLVIMENTO E PAZ

 

Dia Internacional da Mulher 2010

Igualdade de Direitos, Igualdade de Oportunidades: Progresso para Todos

Este ano celebra-se o 15º aniversário da adopção da Declaração e da Plataforma de Acção de Beijing, na Quarta Conferência Mundial sobre a Mulher, em 1995. A Plataforma de Acção – o quadro de políticas mundiais mais amplo para realizar os objectivos da igualdade de género, do desenvolvimento e da paz – apelava à acção em relação a doze questões essenciais:

Pobreza / educação e formação /  saúde / violência contra as mulheres /

 conflitos armados / economia / poder e tomada de decisões / mecanismos institucionais /

direitos humanos / meios de comunicação social / ambiente / raparigas.

Em reconhecimento deste importante aniversário, o tema do Dia Internacional da Mulher, comemorado a 8 de Março, será “Igualdade de Direitos, Igualdade de Oportunidades: Progresso para Todos”.

Desde a Conferência de Beijing, registaram-se muitos avanços em diversas áreas, sobretudo na da educação. Contudo, embora as legislações e políticas tenham combatido muitas desigualdades e formas de discriminação de que as mulheres são objecto, os progressos globais continuam a não ser uniformes. Existem disparidades entre regiões e no seio dos países. As médias mundiais ocultam também diferenças entre as mulheres em função do local onde vivem, da sua condição económica, da etnia, da idade, da deficiência e de outros factores.

Muitos obstáculos à igualdade de género e ao empoderamento das mulheres exigem uma atenção urgente.

  • Registaram-se poucos avanços em matéria de redução das taxas de mortalidade materna. Em cada ano que passa, 563 000 mulheres e raparigas morrem devido a complicações durante a gravidez, o parto ou o pós-parto. A esmagadora maioria das mortes ocorre em países em desenvolvimento. É possível, em grande medida, prevenir e tratar a maior parte destas complicações.
  • A violência contra as mulheres e raparigas é uma pandemia global, dado que cerca de 70% das mulheres foram alvo de violência ao longo da vida. O problema continua a ser universal: em todas as regiões e em todos os países, as mulheres e raparigas são afectadas pela violência.
  • O acesso das mulheres aos mercados laborais e ao trabalho digno continua a ser limitado. Segundo as estimativas, em 2008, 52,6% das mulheres faziam parte da população activa, em comparação com 77,5% no caso dos homens. As mulheres têm, com mais frequência, empregos mal remunerados, de categoria inferior e vulneráveis, com acesso limitado ou mesmo sem acesso à protecção social e sem direitos fundamentais. Uma percentagem muito elevada de mulheres que integram a população activa continua a trabalhar na economia informal.
  • Subsistem desafios importantes à participação plena e igualitária das mulheres nos cargos de tomada de decisões. Entre eles figuram estereótipos negativos acerca dos papéis e capacidade de liderança das mulheres, a falta de compromisso dos partidos políticos e dos dirigentes masculinos, financiamentos e formação inadequados das candidatas e das funcionárias do governo, e os processos de selecção discriminatórios em todos os sectores e a todos os níveis.
  • As mulheres continuam a ser excluídas ou a estar claramente sub-representadas nas negociações de paz bem como nos processos de consolidação da paz e de desarmamento. Desde 1992, as mulheres representaram, em média, 7,1% dos membros de delegações oficiais e apenas 2,1% dos signatários de acordos de paz. Até à data, muito poucas mulheres têm sido mediadoras formais.

Por que subsistem tantos desafios? Concluiu-se que vários factores têm limitado os avanços em todos estes domínios.

  • A prevalência de estereótipos de género negativos baseados em crenças e atitudes sociais afecta as mulheres e os homens e limita as suas oportunidades e opções. As pressuposições estereotípicas acerca das mulheres no mercado de trabalho conduzem à segregação profissional e a diferenças salariais em função do sexo, enquanto a visão estereotípica dos homens como responsáveis pelo sustento da família limita a sua participação na vida familiar.
  • A reduzida implicação dos homens e rapazes impede avanços em direcção à igualdade de género em todos os domínios. Só é possível chamar a atenção para as questões de género e reforçar o apoio a favor da mudança social, se os homens e os rapazes se envolverem, por exemplo, em medidas que visem eliminar a violência contra as mulheres e superar os estereótipos.
  • A sub-representação das mulheres nos cargos de tomada de decisões em todos os sectores limita a integração de uma perspectiva de género nas políticas e programas públicos. Por exemplo, a ausência de mulheres nos  cargos mais elevados dos processos de paz está na origem da reduzida atenção que os acordos de paz prestam a questões de género.
  • A violência contra as mulheres representa um obstáculo a progressos em muitos sectores, nomeadamente a saúde, a educação e o emprego. A violência sexual na escola e no caminho para a escola, por exemplo, constitui um importante impedimento à participação das raparigas na educação.
  • As mulheres continuam a ser responsáveis pela maior parte do trabalho doméstico e da prestação de cuidados. Esta partilha desigual das responsabilidades tem um impacto negativo nas suas oportunidades nos domínios da educação e do emprego e limita a sua participação na vida pública.

Para avançar, os governos têm de dar prioritariamente atenção à resolução dos problemas que as mulheres enfrentam. Não basta adoptarem leis e políticas: é preciso aplicá-las eficazmente.

Entre as medidas que ajudam a garantir o êxito na aplicação dessas leis e políticas figuram as seguintes: dar formação a funcionários públicos, consciencializar as mulheres dos seus direitos jurídicos e afectar recursos adequados. É preciso aumentar a percentagem dos orçamentos do Estado e da ajuda ao desenvolvimento destinada a promover a igualdade de género e o empoderamento das mulheres.

A vontade política e a liderança são factores decisivos para gerar uma acção continuada a favor da igualdade de género e do empoderamento das mulheres e raparigas bem como do desenvolvimento, da paz, da segurança e dos direitos humanos. Só então os Estados poderão concluir o programa que se comprometeram a levar a cabo há 15 anos, em Beijing: alcançar os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio e responder de uma forma eficaz às crises mundiais.

Para mais informações e recursos sobre o Dia Internacional da Mulher 2010, queira visitar:

http://www.un.org/events/iwd/2010/

Para mais informações sobre o exame da Declaração e da Plataforma de Acção de Beijing, 15 anos após a sua adopção, visite:

http://www.un.org/womenwathc/daw/beinjing15/index.html

Produzido pelo Departamento de Informação das Nações Unidas, DPI/2553E, Fevereiro de 2010

 

70º Aniversário da Organização das Nações Unidas

UN70 Logo Portuguese vertical 250px

Logo only Time for global action banner 253x95 Portuguese

Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

O Centro Regional de Informação das Nações Unidas para a Europa Ocidental (UNRIC), sedeado em Bruxelas, presta informação sobre as actividades da ONU nos países da região, incluindo Portugal. Põe à disposição do público os principais relatórios da ONU, documentos, publicações, fichas informativas, comunicados de imprensa e notícias, em várias línguas, nomeadamente o português.