Previous  Next 
Por que razão são essenciais as missões de manutenção da paz da ONU?
 

Quando as estruturas políticas não estão em condições de assegurar a transferência ordeira do poder, quando a insatisfação das populações as torna vulneráveis à manipulação e quando a competição por recursos escassos intensifica o descontentamento e a frustração de pessoas que não conseguem sair do círculo vicioso da pobreza, é inevitável que surjam conflitos armados. Estes factores incentivam a violência dentro dos Estados ou entre Estados, que, dada a enorme oferta de armas a nível mundial, não têm dificuldade em obter os meios necessários. Geram-se conflitos de que resulta um sofrimento humano que assume por vezes enormes proporções, que constituem ameaças à paz e segurança internacionais, e que destroem a vida económica e social de populações inteiras.

Muitos dos conflitos dos nossos dias poderão parecer remotos para aqueles que não se encontram directamente na linha de fogo. Mas as nações do mundo devem confrontar os riscos de uma intervenção com os perigos comprovados da inacção. Se a comunidade internacional não tentar controlar os conflitos e resolvê-los pacificamente, eles podem degenerar em conflitos maiores, envolvendo um maior número de protagonistas. A história recente tem demonstrado que as guerras civis entre facções diferentes num país podem provocar rapidamente a desestabilização de países vizinhos e alastrar a regiões inteiras. Nos tempos modernos, são poucos os conflitos que se podem considerar verdadeiramente "locais". Os conflitos geram frequentemente toda uma série de problemas – por exemplo, o tráfico ilegal de armas, o terrorismo, o tráfico de droga, fluxos de refugiados e danos ambientais. As suas repercussões fazem-se sentir longe da zona imediata do conflito. As actividades de manutenção da paz ONU, que contam já com 60 anos de experiência no terreno, são uma ferramenta indispensável. O facto de essas actividades serem empreendidas em nome de uma organização global composta por 191 Estados Membros confere-lhes uma legitimidade e universalidade únicas.