Previous  Next
O que se está a fazer no contexto da manutenção da paz
no sentido de resolver o problema do VIH/SIDA?
 

A actual política das Nações Unidas em matéria de VIH/SIDA assenta na não discriminação e no respeito pelas normas internacionais relativas aos direitos humanos. Prevenir a transmissão do VIH entre os capacetes azuis e as comunidades locais é uma das grandes prioridades da ONU, que promove vigorosamente a realização de análises voluntárias confidenciais e o aconselhamento dos soldados da paz, quer antes, quer durante a sua permanência na zona da missão. Foi também criado um modelo-tipo de programa de formação para os países que contribuem com tropas, a fim de assegurar que todos os capacetes azuis recebam informação completa sobre o VIH/SIDA antes de serem enviados para o local da operação. Os programas nacionais sobre VIH/SIDA destinados ao pessoal uniformizado também recebem apoio técnico e financeiro do ONUSIDA (o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre VIH/SIDA) e seus co-patrocinadores.

Todas as grandes operações de manutenção da paz têm assessores em matéria de SIDA, apoiados por Voluntários da ONU e por especialistas nacionais, encarregados de promover a sensibilização do pessoal civil e fardado, através da formação por pares, entre outros meios; as missões de menor dimensão dispõem de pontos focais. As fichas de sensibilização do ONUSIDA são distribuídas em 12 línguas e contêm informações básicas sobre a transmissão do VIH e sobre o que fazer em caso de acidente.

A estratégia da ONU em matéria de VIH/SIDA, relativamente a operações de manutenção da paz, engloba cinco elementos essenciais: (1) criação, no seio das missões, de uma capacidade concreta no que se refere a programas sobre SIDA; (2) garantia da disponibilidade de preservativos para o pessoal e respeitar as precauções médicas universais, nomeadamente o fornecimento de amostras de sangue sujeitas a testes de rastreio e kits profilácticos a serem utilizados após exposição ao vírus; (3) criação de capacidade de detecção e de aconselhamento voluntário nas missões; (4) estabelecimento de mecanismos de monitorização e avaliação, como o inquérito sobre conhecimentos acerca do VIH/SIDA, atitudes e práticas, realizado em 2005 entre os capacetes azuis na Libéria; e (5) desenvolvimento de projectos de divulgação que visem especificamente as comunidades locais e integrem as preocupações com o VIH/SIDA nas actividades gerais levadas a cabo no âmbito do respectivo mandato, como desarmamento, desmobilização e reinserção e formação dos elementos das forças policiais nacionais.